Confira uma prova da professora Hannah Arendt

Confira uma prova da professora Hannah Arendt 1

A prova da professora Hannah Arendt

Hannah Arendt foi uma das maiores pensadoras do século XX. Refugiada do nazismo, ela construiu uma carreira sólida nos Estados Unidos, onde publicou diversas obras e atuou como professora. No início dos anos 1960, Arendt cobriu, por exemplo, o julgamento do criminoso de guerra nazista Adolf Eichmann, em Israel. Ela surpreendeu-se com o que viu no tribunal: o alemão era magro, tinha baixa estatura, parecia frágil e muito tímido. Não era lá muito inteligente e nem maquiavélico; particularmente não demonstrava nenhum ódio enraizado contra judeus, embora tivesse investido grande esforço em eliminá-los. Um retrato bem diferente do nazista do senso comum. Depois da experiência, Arendt cunhou o termo “banalidade do mal” (sim, o mal pode ser absolutamente banal).

Eu sempre tive muita curiosidade para saber mais sobre a Hannah Arendt professora. Esta semana descobri o exame final do curso “Sobre a revolução” (titulo de um livro dela), ministrado por ela no Departamento de Ciência Política da Northwestern University, nos EUA. O documento foi compartilhado pela pesquisadora Samantha Rose Hill, do Hannah Arendt Institute for the Research on Totalitarianism.

Confira uma prova da professora Hannah Arendt 2

“Notas de Rodapé” é a coluna de Bruno Leal, editor do Café História. Aqui você encontra notícias curtas, informações sobre eventos, dicas de livros, reflexões sobre a presença da história no tempo presente, sugestões de filmes, pensamentos sobre o ofício do historiador e muitas outras coisas legais que esse divulgador científico for encontrando pelo meio do caminho. Tem alguma pauta? Escreva para a coluna.

Leia outras edições do Notas de Rodapé

2 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*