Especial da semana

professor universitário
Artigo

O que faz um professor ou professora universitária?

17 de junho de 2019 4

O que, afinal de contas, faz um professor ou uma professora no ensino superior, no Brasil? Quais são as suas principais atividades, dinâmicas, deveres e responsabilidades? Diferente do que se imagina no senso comum, ser docente no ensino superior vai muito além de dar aulas e corrigir provas. Confira o novo artigo de Bruno Leal, editor do Café História e professor adjunto do Departamento de História da Universidade de Brasília.

Artigos

miscelânea

Diversos

Notícias

Ministerio-do-Trabalho-Vargas
Por quê?

Por que o Ministério do Trabalho foi criado?

“A morte do Ministério do Trabalho, escondida por uma retórica de que a gestão eficiente da coisa pública se daria pela diminuição do Estado, é, na verdade, resultado do ataque ao trabalho e a uma cultura de defesa de direitos trabalhistas já arraigada na sociedade brasileira há muitas décadas. A despeito do tom de obituário, é importante entender como o conhecimento histórico interpreta a criação do Ministério, seja para se perceber o que se perdeu ou para se exigir seu retorno. Em 26 de novembro de 1930, quando Getúlio Vargas assinou o Decreto nº 19.433 para a criação do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, apenas 23 dias eram transcorridos desde o início de seu governo. Não por acaso, o primeiro titular da pasta, Lindolfo Collor, o apelidou de “Ministério da Revolução”, dada sua importância estratégica para o projeto político do novo governo.”

Nossa periodicidade

Toda segunda-feira publicamos o nosso “especial da semana” (artigo, entrevista, bibliografia comentada ou história importada). E de terça a sexta, notícias sobre as novidades mundo acadêmico e escolar.

Dicas de Livros

  • “No entanto, após o golpe de 1964, sobretudo na segunda metade dos anos 1960, ganharam espaço outros grupos mais radicais, que não viam outra opção eficaz de combate à ditadura que não fosse a luta armada. Alguns setores da esquerda que se alinharam ao radicalismo, embora fossem minoria, julgavam que o PCB fora demasiadamente conciliador, reformista e incapaz de impedir a queda de Jango. Com o avançar da ditadura, os demais agrupamentos citados também foram considerados incapazes.” Confira o artigo exclusivo da historiadora Isabel Leite, doutora em História Social pela UFRJ.

Site indexado pelo Altmetric

Altmetric
  • Negacionismo

    O que fazer quando a arena pública se vê cada vez mais ocupada por negacionismos de todo o tipo, que almejam não só respeitabilidade historiográfica, mas hegemonia intelectual, isto é, o controle mais ou menos estrito sobre como imaginamos o passado?