Roteiro de aula sobre memória da Primeira Guerra Mundial para download gratuito

2

Roteiro pode ser replicado em sala de aula por professores(as) de História do Ensino Médio. Professor(a) de Inglês também pode participar de atividade.

Por Bruno Leal | Agência Café História

“Ninguém foi trabalhar. Era uma manhã sombria. Havia algo no ar. ‘Alguma coisa está para acontecer’, alguém comentou. De repente, disseram que a guerra tinha chegado ao fim. Todos ficaram loucos”. As palavras são de Dennis Barker, um dos muitos britânicos que foram para as ruas de Londres celebrar o fim da Primeira Guerra Mundial no dia 9 de novembro de 1918. O relato completo que Barcker faz sobre o chamado “Dia do Armistício” é parte do excelente roteiro de aula Como a Primeira Guerra Mundial é relembrada?, criado por Katherine Alston, do grupo Imperial War Museums, da Grã-Bretanha. O roteiro de Alston, que acaba de ser disponibilizado no site da instituição para download gratuito, é voltado especialmente para professores de História do Ensino Médio.

Canhão da Primeira Guerra Mundial
Canhão alemão 13.5cm capturado e exibido em Londres. Fonte: Departamento de Fotografia do Imperial War Museum, Q31243. Nicholls, Horace (Fotógrafo)

Como o título sugere, o roteiro foca nos diferentes processos de construção de memória da Primeira Guerra Mundial. Além do relato de Dennis Barker, ele inclui fotos, vídeos, áudios, fontes primárias e uma apresentação de Power Point. O roteiro é dividido em seis etapas, cada qual representado por uma grande pergunta norteadora: 1. Como as pessoas se lembram do fim da Primeira Guerra Mundial?; 2. Como as comunidades locais se lembram daqueles que morreram na Primeira Guerra Mundial?; 3. Como os museus ajudam a lembrar a Primeira Guerra Mundial?; 4. Como a Primeira Guerra Mundial é lembrada nas casas das pessoas?; 5. Como as pinturas têm sido utilizadas para lembrar a Primeira Guerra Mundial?; 6. Quais souvenirs da Primeira Guerra Mundial foram guardados para se lembrar a Primeira Guerra Mundial?

Roteiro possui material diversificado

Cada etapa do roteiro possui um material diferente. Na primeira, por exemplo, dedicado à memória das pessoas da época, encontramos o relato de Barker que, naquele novembro de 1918, tinha acabado de deixar a escola e trabalhava como mensageiro. Na quinta momento, dedicado à produção artística, temos um quadro à óleo chamado Gassed, feito por John Singer Sargent (1856-1925), contratado pelo Governo Britânico para pintar uma cena do Hall of Remembrance ou Hall da Lembrança, uma série de pinturas e esculturas encomendadas, em 1918, pelo Comitê Britânico de Memoriais de Guerra do Ministério Britânico da Informação. Painel monumental, Gassed retrata o momento posterior de uma tropa atacada com gás mostrada rumo a um posto de limpeza.

Atividade pode envolver professor(a) de inglês

O material disponibilizado pelo grupo Imperial War Museums está todo em inglês. Se o professor ou professora de História interessado em aplicar a proposta tiver nível intermediário da língua, poderá traduzi-lo sem problemas. Não havendo essa autonomia, uma solução é convidar o(a) professor(a) de inglês para uma atividade interdisciplinar. Esta opção, por sinal, é uma ótima forma de explorar todo o potencial do roteiro.

A organização Imperial War Museums

Imperial War Museums é uma entidade britânica subvencionada pelo governo, mas que também conta com financiamento da iniciativa privada. É responsável por gerenciar vários museus dedicado às guerras nas quais o Império Britânico esteve envolvido. O principal desses museus, o Imperial War Museum, localizado em Londres, foi fundado em 1917. Ele e seus museus-irmãos reúnem milhares de artefatos como veículos militares, armas de todos os tipos, aviões de combate, livros, fotografias, documentos, vestuário e uma coleção de arte do século XX e de séculos anteriores dedicada à guerra. Além da rica museografia, o museu também produz e disponibiliza materiais – sobretudo roteiros de aula – voltados para professores.

Bruno Leal

Fundador e editor do Café História. É professor adjunto de História Contemporânea do Departamento de História da Universidade de Brasília (UnB). Doutor em História Social. Tem pós-doutorado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pesquisa História Pública, História Digital e Divulgação Científica. Também desenvolve pesquisas sobre crimes nazistas e justiça no pós-guerra.

2 Comments

    • Plácido, o link não está quebrado.
      O IWM informa que o acesso está negado.
      Pode ser algo temporário. Tente mais tarde.
      Até outro dia estava super disponível.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.