O avô no campo de concentração 1
Notas de Rodapé

O avô no campo de concentração

Em tempos de negacionismo histórico, a minha amiga Marina Lemle, jornalista, descobriu a ficha de entrada do avô dela, Henrique Lemle, rabino fundador da ARI (Associação Religiosa Israelita), no campo de concentração de Buchenwald, para onde foi enviado depois da Noite dos Cristais, em 11 de novembro de 1938. Felizmente, ele se salvou do Holocausto com a ajuda do World Union for Progressive Judaism, imigrando para Londres e depois para o Rio de Janeiro, onde faleceu em 1978. O documento estava no Arolsen Archives e quem o encontrou foi Charles Steiman, amigo de Marina e pesquisador do “Heritage and History”, na Alemanha. “A história prevalece”, ela disse. Está coberta de razão.