Guerra do Paraguai: leituras indispensáveis

O historiador Braz Batista Vas, professor da Universidade Federal do Tocantins, elenca um conjunto de obras fundamentais para o estudo da maior guerra realizada no continente sul-americano. Confira, a seguir.

Por Braz Vatista Vas

A Guerra do Paraguai é um dos grandes eventos bélicos no século XIX e o principal grande conflito entre nações no qual o Brasil já se envolveu ao longo de sua história. Foi um conflito longo, de 1864 a 1870, e sangrento, que ceifou a vida de milhares de pessoas, entre brasileiros, argentinos, uruguaios e paraguaios. Conhecer um pouco mais sobre esse evento histórico é conhecer um forte componente do processo de conformação do Estado brasileiro, de elementos de formação da identidade nacional e de destaque para questões candentes para um jovem país, como o problema da escravidão e o papel dos militares na dinâmica política nacional, além do processo de arranjo geopolítico regional da região platina. Enfim é muito mais do simplesmente pensar em soldados e batalhas, nesse sentido, destaco cinco publicações que podem ajudar o leitor a se aprofundar nessa temática histórica.

Guerra do Paraguai
Coronel Joca Tavares (terceiro sentado, da esquerda para a direita) e seus auxiliares imediatos, incluindo José Francisco Lacerda, mais conhecido como “Chico Diabo” (terceiro em pé, da esquerda para a direita). Imagem: Wikipedia, Domínio Público. In: Salles, Ricardo. Guerra do Paraguai: memórias & imagens. Rio de Janeiro: Edições Biblioteca Nacional, 2003. ISBN 85-333-0264-9 (p.180)

1. FRAGOSO, Augusto Tasso. História da guerra entre a Tríplice Aliança e o Paraguai. 2. ed. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1960, v. 1–5.

Trata-se de uma coleção de cinco volumes, publicada na década de 1960, com um criterioso trabalho de reunião e análise de documentos sobre a Guerra do Paraguai, que procura abarcar todos os eventos da guerra e as personagens de maior relevância no contexto militar. Fragoso, com as informações de que dispunha, faz uma excelente análise dos principais eventos militares do conflito e suas implicações no longo transcurso desta que foi a maior guerra sul-americana no século XIX. Em termos de historiografia brasileira sobre a “Guerra do Paraguai”, esta é uma coleção de uma vertente considerada tradicional, que destaca e valoriza os feitos militares, o tom ufanista, o heroísmo e a abnegação das forças brasileiras na luta contra o Paraguai, invasor do território brasileiro. É leitura indispensável àqueles que querem se debruçar sobre os estudos desse conflito.

2. SALLES, Ricardo. Guerra do Paraguai: escravidão e cidadania na formação do Exército. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

Este livro de Ricardo Salles é um dos divisores de água em termos de historiografia brasileira sobre a Guerra do Paraguai, pois representa, dentre outras obras, o avanço na análise histórica do conflito que superasse as publicações de vertente ‘tradicional’ (história das batalhas, historia das trincheiras, história oficial do conflito) e revisionista (cuja tese principal era a do imperialismo inglês como grande catalisador e instigador dos eventos bélicos platinos). Trata de um livro que abre caminho para uma nova historiografia sobre essa guerra, incorporando e integrando não somente as perspectivas e análises políticas e econômicas, mas também as culturais, a exemplo da discussão sobre a participação de negros, sejam escravos, libertos ou livres, e o processo de conformação de elementos de cidadania no Brasil a partir desse conflito. Brasil, o Uruguai e o Paraguai tiveram em suas fileiras batalhões formados por negros, escravos ou não.

3. MENEZES, Alfredo da Mota. Guerra do Paraguai — como construímos o conflito. São Paulo: Contexto; Cuiabá: ed. UFMT, 1998.

O livro de Menezes se debruça sobre o início do conflito e suas causas. Também representa um avanço na historiografia sobre esse conflito por desconstruir a tese de que a Guerra ter se iniciado pela atuação direta dos interesses ingleses na região platina. Nesse sentido, a geopolítica regional e os episódios da intervenção brasileira no Uruguai tem papel fundamental nas ações que catalisaram o início da guerra.

4. FIGUEIRA, Divalte Garcia. Soldados e negociantes na Guerra do Paraguai. São Paulo: Humanitas FFLCH-USP; FAPESP, 2001.

Figueira nos apresenta um panorama mais detalhado dos impactos econômicos da Guerra do Paraguai, mobilizados pelo Brasil para mover as complexas e burocráticas engrenagens do cotidiano bélico, ressaltando os custos, os recursos financeiros mobilizados, as dificuldades na compra e fornecimento de mercadorias essenciais ao abastecimento das forças militares, destacando a figura de alguns fornecedores e suas relações com as forças aliadas (Brasil, Argentina e Uruguai).

5. DORATIOTO, Francisco Fernando Monteoliva. Maldita guerra: nova história da Guerra do Paraguai. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

O livro de Doratioto, “Maldita Guerra”, é um dos grandes destaques da nova historiografia sobre a Guerra do Paraguai. É um livro extenso, com farta utilização de fontes documentais e bibliográficas, que abarca todo o período e extensão do conflito e suas principais personagens. Doratioto também procura se distanciar da vertente historiográfica clássica e desmonta as principais teses revisionistas. A prioridade em apresentar uma perspectiva total do evento, ora aproximando do leitor alguns personagens e eventos específicos, ora apresentando somente os aspectos gerais deixa ao leitor certa impressão de totalidade quanto aos estudos históricos sobre este evento, o que não procede. A guerra é tratada em suas dimensões políticas, econômicas e, em parte, culturais, consolidando-se, também, como leitura fundamental e indispensável para se compreender a guerra.

Outras indicações:

CERQUEIRA, Dionisio. Reminiscências da campanha do Paraguai, 1865–1870. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1980.

COSTA, Wilma Peres. A espada de Dâmocles: o Exército, a Guerra do Paraguai e a crise do Império. São Paulo: Hucitec – ed. UNICAMP, 1995.

IZECKSOHN, Vitor. O cerne da discórdia: a Guerra do Paraguai e o núcleo profissional do Exército Brasileiro. Rio de Janeiro: E-Papers, 2002.

SALLES, Ricardo. Guerra do Paraguai, memórias e imagens. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 2003.

SILVEIRA, Mauro César. A batalha de papel: a Guerra do Paraguai através da caricatura. Porto Alegre: L&PM, 1996.

TAUNAY, Alfredo d’Escragnolle, Visconde Taunay. Diário do Exército, campanha do Paraguai, 1869–1870: Comando-em-chefe de S. A. o Sr. Marechal de Exército Conde d’Eu. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2002.

TAUNAY, Alfredo d’Escragnolle. Recordações de guerra e de viagem. Brasília: Senado Federal/Conselho Editorial, 2008.


Braz Batista Vas é graduado (licenciatura e bacharelado), Mestre e Doutor em História pela Unesp-Campus de Franca; Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal do Tocantins – Curso de História – Campus de Araguaína; Autor do livro: “O final de uma guerra e suas questões logísticas: o conde d’Eu na Guerra do Paraguai (1869-1870)”. E-mail: [email protected]

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Guerra do Paraguai | Café História | Blog do Fabrício
  2. História do Brasil Império - entrevista com Ricardo Salles (2010)

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*