/

Os soldados da Primeira Guerra Mundial da Escola Indígena Carlisle

Novembro é o mês da Herança dos Nativos Americanos. Em artigo publicado originalmente no blog Pieces of History, do Arquivo Nacional dos Estados Unidos, e traduzido com exclusividade pelo Café História, a pesquisadora Rachel Bart fala sobre alunos da Escola Indígena Carlisle, que lutaram na Primeira Guerra Mundial não só para defender a pátria, mas, principalmente, para escapar dos maus tratos da instituição escolar e adquirir a tão sonhada cidadania norte-americana.

Grupo de meninos de Omaha em uniformes de cadete, Carlisle Indian School, Pensilvânia, ca. 1880. ( National Archives Identifier 519136 )

Fundada em 1879, a Escola Industrial Indígena dos Estados Unidos em Carlisle, Pensilvânia, geralmente chamada de Escola Indígena Carlisle (Carlisle Indian School), era um colégio interno financiado pelo governo federal para americanos nativos.

As atitudes praticadas pelos homens brancos do século XIX levaram à crença de que a única maneira de “salvar” os nativos americanos do rápido declínio populacional era assimilá-los rápida e forçosamente à cultura branca americana. O sistema de internato indígena, do qual o Carlisle School fazia parte, tinha como máxima disciplinar de “matar o índio, salvar o homem”, e incluía políticas como mudar os nomes dos alunos nativos para nomes americanos e punir aqueles que falassem suas línguas nativas ou praticassem suas crenças religiosas.

Usando uniformes, os alunos da Carlisle viviam sob severa disciplina e aprendiam exercícios de estilo militar. Eles eram considerados recrutas desejáveis ​​para as Forças Armadas. Quando a Primeira Guerra Mundial estourou, os alunos da escola foram incentivados a ingressar na Cruz Vermelha, em indústrias militares, como a da construção naval, e as Forças Armadas – cerca de 90% da população de estudantes masculinos de Carlisle se voluntariaram para o esforço de guerra. Os historiadores identificaram mais de 200 ex-alunos de Carlisle que serviram nas forças armadas dos Estados Unidos durante a Primeira Guerra Mundial, incluindo muitos que conseguiram ganhar um posto de sargento devido ao treinamento militar e educação que receberam em Carlisle.

Nas edições semanais do jornal da escola, The Carlisle Arrow and Red Man, a escola elogiou as conquistas patrióticas dos alunos que serviram, compartilhando notícias de ex-alunos como “William Goode, que se juntou à Marinha e agora está em Great Lakes, Illinois.”

Por que lutamos?

Os índios americanos fizeram parte das primeiras unidades de combate americanas a chegar à França em 1917 e lutaram em todas as grandes batalhas até o final da guerra. Como muitos outros americanos, eles lutaram para provar seu valor na batalha e defender a democracia. Mas havia outras razões, mais específicas.

Os estudantes da Carlisle Indian School lutavam também para escapar dos rigores punitivos dos internatos indígenas e provar seu patriotismo. Além disso, a luta era uma forma de se tornarem cidadãos americanos. Até a aprovação da Lei de Cidadania Indiana em 1924, o governo federal usava a existência de nações separadas nos Estados Unidos em terras de reserva para negar a muitos nativos americanos os benefícios e proteções da cidadania. Depois da guerra, muitos nativos americanos fizeram lobby junto ao governo federal para recompensar seu serviço e lealdade, garantindo-lhes a cidadania de primogenitura. O Indian Citizenship Act mudou o status de cerca de 125.000 entre 300.000 índios americanos que não haviam sido até então classificados como cidadãos americanos.

Os soldados da Primeira Guerra Mundial da Escola Indígena Carlisle 1
“Vinte e cinco índios do Carlisle Indian College, Pensilvânia, estão aprendendo a construir navios em Hog Island, PA,” 04/09/1918. (Identificador de Arquivos Nacionais 533744).
Os soldados da Primeira Guerra Mundial da Escola Indígena Carlisle 2
Transferência formal da Escola Indígena Carlisle para o Departamento de Guerra, 01/09/1918. ( Identificador de Arquivos Nacionais 118968099 ).

Fechamento

A Carlisle Indian School foi fechada em 1918 devido ao baixo número de matrículas e tornou-se propriedade do Exército dos EUA. O Exército o transformou, então, no Hospital de Base 31, que reabilitou soldados feridos durante a guerra.

De 1879 até seu fechamento, em 1918, mais de 10.000 crianças nativas americanas de 140 tribos frequentaram Carlisle, muitas vezes com pouca possibilidade de escolha. O governo federal justificou a remoção forçada das crenças brancas prevalecentes de que as práticas parentais dos nativos americanos eram inferiores às dos brancos, resultando em uma perda de cultura por várias gerações e outros danos incalculáveis.

Como citar este artigo

BARTGIS, Rachel. Os soldados da Primeira Guerra Mundial da Carlisle Indian School. In: Café História. Tradução de Bruno Leal Pastor de Carvalho. Publicado Original, em inglês, sob licença Creative Commons, no blog Pieces of History. Publicado em 29 nov. de 2021. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/os-indigenas-americanos-que-lutaram-na-primeira-guerra-mundial/. ISSN: 2674-5917.

Rachel Bartgis

Técnica conservadora do National Archives em College Park, MD.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.