Qual passado usar? A historiografia diante dos negacionismos

O que fazer quando a arena pública se vê cada vez mais ocupada por negacionismos de todo o tipo, que almejam não só respeitabilidade historiográfica, mas hegemonia intelectual, isto é, o controle mais ou menos estrito sobre como imaginamos o passado?

Por Arthur Lima de Avila

No título de um livro de 2002, em que se propunha a “repensar o passado em um mundo em mudanças”, Eric Foner perguntava aos seus leitores e leitoras quem, afinal de contas, era dono ou dona da história. Em resposta, o historiador norte-americano afirmou que ela pertencia “a todos e a ninguém”, justamente porque, aos seus olhos, o estudo do passado (e do presente!) seria uma “jornada sem fim de descobertas”[1].

Foner estava questionando, assim, o senso comum, muito difundido entre a história acadêmica, de que o passado deveria ser mantido sob sua guarda rigorosa; pelo contrário, afirmava ele, a história, embora importante, seria apenas mais uma das formas pelas quais seres humanos tentavam dar sentido às suas existências. Nesta perspectiva, a disciplina era somente uma das várias participantes da conversação maior sobre como as comunidades viveram, vivem e gostariam de viver – e esta pluralidade seria fundamental à vida de nossas democracias.

Negacionismo
Campo de Extermínio e Concentração de Auschwitz, Polônia. Foto: Peter 89ba – Pixabay.

No entanto, o que fazer quando a arena pública se vê cada vez mais ocupada por negacionismos de todo o tipo, que almejam não só respeitabilidade historiográfica, mas hegemonia intelectual, isto é, o controle mais ou menos estrito sobre como imaginamos o passado? Esta é questão que procurarei responder neste artigo.

Negacionismo ou revisionismo?

Peguemos, por exemplo, o caso brasileiro: recentemente, várias iniciativas empresariais e intelectuais, das quais a mais conhecida talvez seja o Brasil Paralelo, têm reconfigurado a história da ditadura civil-militar (1964-1985), minimizando tanto sua violência como seu autoritarismo e buscando reabilitá-la  enquanto um “momento fundacional” da democracia brasileira, já que teria abortado uma “revolução comunista” supostamente em curso durante o governo de João Goulart.

Os mecanismos para tanto, observa o historiador Fernando Nicolazzi, são uma série de omissões factuais, distorções do registro histórico e silêncios sobre dados inconvenientes do mesmo período.[2] Ao fim, o que surge da leitura do passado que nos é oferecida pelo grupo empresarial (pois é de uma empresa que falamos) é uma “interpretação” higienizada e, a despeito das supostas intenções de imparcialidade de seus autores, manipulada ideologicamente para dar legitimidade aos atuais projetos políticos que governam o país[3] – cujo Presidente da República é um ardoroso defensor do regime instaurado em 1964. Deste modo, é possível falarmos que, no que se refere à história recente brasileira, este empreendimento acaba por refletir uma tentativa de reabilitação da própria ditadura civil-militar que equivale, ao menos como uma de suas possibilidades de entendimento, a uma operação negacionista.

O que os negacionismos querem apagar da história?

A ditadura, contudo, não é o único objeto de reabilitação nessas narrativas em geral e nos projetos dessa empresa específica. A escravidão africana/afro-brasileira e o tráfico atlântico de seres humanos são igualmente esvaziados de seus horrores e violências; para um dos colaboradores do Brasil Paralelo, a escravidão teria “deixado alguns legados”, sem, contudo, que  ele cite quais são eles ou quais os efeitos desta escravização massiva para a estruturação de nossas imensas desigualdades sociais – sua herança, segundo ele, seria superada somente “com a passagem do tempo” e nada mais. O desenrolar da história, portanto, trataria de redimir a própria história.[4]

Para usarmos outro exemplo, é bastante sintomático que para o jornalista e escritor Leandro Narloch, engajado em produzir opiniões “politicamente incorretas” sobre a nossa história,  o fato de ex-cativos terem tido escravos comprovaria não a perversidade e ampla penetração da escravidão na sociedade brasileira, mas um “fardo compartilhado”, o que afastaria a possibilidade de se responsabilizar os colonizadores pela construção do sistema escravista e pelo tráfico de seres humanos, bem como a de se reconhecer os privilégios históricos daí advindos.[5]

Dessas visões para afirmações descabidas é um passo curto – vale lembrar aquela proferida pelo atual Presidente, quando em campanha eleitoral, sobre filhos de Portugal “nunca terem escravizado ninguém” (os africanos é que teriam feito isso, segundo o político). De minimização em minimização, chegamos ao negacionismo.

Como todo e qualquer negacionismo, estes que estamos vendo no Brasil não são politicamente inocentes, ainda que busquem ostentar as  vestimentas da verdade. Dito de outro modo, elas evidenciam seus esforços em afastar de nosso horizonte intelectual e político aquelas representações mais fortemente comprometidas com perspectivas democratizantes de nossa história, especialmente aquelas empenhadas em desvelar as “feridas históricas” fundadoras[6]; histórias, portanto, que não ocultam tudo aquilo que gerou, para diversas coletividades, as injustiças e brutalidades ainda bastante perceptíveis, desde o racismo às desigualdades sociais, passando pela continuidade de violência estatal contra grupos específicos.

Como todo e qualquer negacionismo, estes que estamos vendo no Brasil não são politicamente inocentes, ainda que busquem ostentar as  vestimentas da verdade.

Para atender aos seus fins, estas interpretações negacionistas tentam transformar o reconhecimento destas feridas históricas (e o debate aberto e honesto sobre elas) em um conjunto de ideias a ser violentamente rechaçado, rotulando-as de “doutrinação esquerdista” ou, para usar um vocabulário recorrente dentre os que recusam a existência destas máculas, “mimimi”.

A negação do passado equivale, nesse sentido, a uma negação do presente: se nenhum processo histórico causou os problemas contemporâneos, eles podem ser pensados por um lado como o resultado de simples opções individuais, e por outro, como consequência de disposições ou talentos inatos. Igualmente, se, como querem os colaboradores do Brasil Paralelo, a carta constitucional ainda (ainda?) vigente no país é resultado do retorno dos derrotados em 1964 ao poder, então é a própria legitimidade de nossa democracia que está em questão – o que, evidentemente, se coaduna com os interesses políticos imediatos daqueles que se imaginaram fundando uma nova ordem depois das eleições de 2018 e que, ao longo dos anos, já emitiram reiteradas opiniões de desprezo contra nosso regime democrático.

Diante de tudo isso, é natural que historiadores e historiadores não só se perguntem sobre “o que fazer?”, mas também tentem encontrar as origens destes problemas. Ou ainda, o que fazer para resguardar a importância de um conhecimento histórico digno para a nossa sociedade, que também nos ajude a confrontar nossos dilemas de forma inteligente e eticamente responsável?

Estas perguntas, sabemos, não são novas e não estão circunscritas ao debate brasileiro, pois o fantasma do negacionismo tem ganhado corpo globo afora nos últimos anos: das tentativas japonesas de negação dos crimes cometidos em sua ocupação da Coréia e da Manchúria[7] às conhecidas insistências de setores ultraconservadores norte-americanos em recusar o caráter racista e escravocrata da antiga Confederação sulista[8] que tanto defendem, passando pelas invectivas recentes do governo polonês contra as evidências de cumplicidade de cidadãos do país com o extermínio de judeus na Segunda Guerra Mundial[9] e pelas reabilitações pseudocientíficas do colonialismo europeu[10].

Narrativas negacionistas dialogam com as Teorias da História?

A emergência destas (im)posturas intelectuais fez com que alguns historiadores e historiadoras, segundo Ethan Kleinberg[11], levantassem suas vozes uma vez mais contra os “relativismos” e “ceticismos” sobre a verdade histórica das discussões sobre Teoria da História das últimas décadas. Este tipo de alerta voltou ao cenário historiográfico por conta do avanço das fake news e da pós-verdade no mundo da política.

O argumento é mais ou menos simples: o negacionismo teria sido possibilitado pelas crescentes dúvidas teóricas sobre a capacidade da historiografia chegar a verdades plenas sobre o passado e teria sido legitimado, segundo essa argumentação, pelo surgimento do tal “relativismo cético” e suas (supostas) assertivas sobre a igualdade de quaisquer interpretações históricas. Consequentemente, isto teria também gerado a atual proliferação de narrativas falsas sobre eventos diversos e o descrédito público de uma “história verdadeiramente científica”.

No entanto, estas alegações são preguiçosas e, em última instância, contraproducentes no combate às historiografias fake dos dias de hoje, na medida em que ofuscam as origens dos negacionismos contemporâneos, que pouco ou nada tem a ver com as discussões teóricas acima mencionadas. Negacionistas não são, por definição, “relativistas”. Muito pelo contrário. Seu “ceticismo” está ancorado em um desejo objetivista que não é tão diferente do da já ultrapassada historiografia conservadora: “Revisionistas, negacionistas, os que negam as mudanças climáticas, o movimento antivacina, nacionalistas brancos e autoritários não são e não querem ser considerados pós-modernos, construcionistas e desconstrucionistas. Eles querem ser considerados “realistas”.

É nesse terreno que fazem suas afirmações e é neste sentido que suas metodologias e seus postulados teóricos subjacentes estão alinhados com aqueles e aquelas que culpam a teoria pós-moderna pela pós-verdade”.[12]

E isto nos devolve exatamente ao centro do problema: o que fazer? O que fazer para, por um lado, assegurar um conhecimento histórico minimamente responsável, e, por outro, garantir que não caiamos nos mesmos desejos absolutistas projetados tanto por negacionistas quanto por concepções monolíticas da disciplina? Em outras palavras, quais são nossas responsabilidades nesta conjuntura?

Considerações sobre o lugar dos historiadores nesse cenário

Em primeiro lugar, não se combaterá uma história ruim com outra pior ainda, ou seja, não devemos substituir um desejo absolutista por outro, apenas com o sinal invertido, pois isto significaria um fechamento intolerável sobre o que podemos e o que queremos pensar sobre nossos passados e presentes.

É preciso, assim, reforçar a afirmação de Foner sobre a história ser uma “jornada sem fim de descobertas”, uma em que estamos constantemente revisitando o passado de acordo com as necessidades que consideramos atuais, não só para obtermos a atestação factual do que ali ocorreu, mas, principalmente, para que possamos, enquanto cidadãos, nos interrogar sobre o que faremos com o que foi e é feito de nós.

Negacionistas não são, por definição, “relativistas”. Muito pelo contrário. Seu “ceticismo” está ancorado em um desejo objetivista que não é tão diferente do da já ultrapassada historiografia conservadora.

Antes de ser um exercício que enclausura o pensamento, como o são os negacionismos e os absolutismos intelectuais de todos os tipos, a história, acadêmica ou não, deveria ser a “introdução da invenção na vida” para que os seres humanos possam “descobrir o que desejam e o que querem ser”.[13]

Os negacionismos são, neste sentido, literais rejeições destas possibilidades, não só porque apagam, silenciam e ocultam a facticidade dos passados que geraram nossos presentes, mas também porque impõem sentidos únicos e autoritários para a história e a vida – o pior dos mundos.

Por isso mesmo, as Ciências Humanas, e não só a historiografia, precisam ressaltar suas credenciais pluralistas, sem o medo de que isso possa ser chamado de “relativismo”. Se é preciso, sempre, desvelar a relação de quaisquer narrativas com poderes constituídos, inclusive os que contam com nossa simpatia, também é preciso afirmar que o bom conhecimento também é poder – poder, principalmente, para intervir no mundo e superar aquilo que querem nos impor como destino, sina ou fardos insuperáveis.

Isto, contudo, não é um convite à manipulação factual e à falta de rigor conceitual características das histórias ruins, pois sempre podemos recorrer à responsabilidade no uso das evidências e do arcabouço teórico-metodológico para diferenciar entre interpretações legítimas do passado, meras opiniões, má-fé (mesmo que, talvez, inconsciente) e, por fim, mentiras pura e simples. O pluralismo não é a aceitação acrítica de qualquer história, uma espécie de “vale tudo” intelectual que não distingue entre o que é legítimo e ilegítimo no trabalho historiográfico.

Do mesmo modo, frente a representações simplificadas do passado, historiadores e historiadoras têm a responsabilidade de, nas palavras de Friedlander[14] , “reintroduzirem a complexidade dos eventos históricos, a ambiguidade do comportamento humano e a indeterminação de processos sociais mais amplos”, especialmente os que ainda fazem parte do presente e afetam as vidas de milhões de indivíduos. Desta maneira, se a última palavra, segundo nos disse Paul Ricouer[15] é sempre da cidadã e do cidadão, é necessário que, ao tomarem as decisões que queiram tomar, estejam informados não por simplificações e negações de todos os tipos, mas por histórias ética, teórica e empiricamente responsáveis. Aqui, assim, jaz a importância de uma historiografia disciplinada francamente contrária a absolutismos diversos e comprometida com um pluralismo que rejeita o encerramento de nossas imaginações sobre o ontem e o hoje.

Conclusão

O que, enfim, os negacionismos almejam não é a revisão, legítima, do conhecimento histórico, mas seu encerramento em categorias estanques supostamente ancoradas em uma verdade que não admite, por seu caráter absoluto, contestação alguma. Não é surpresa que negacionistas de todos os tipos transformem suas empreitadas intelectuais em verdadeiras cruzadas políticas, quase apocalípticas, porque, ao fim e ao cabo, é disso que se trata: de expulsar do horizonte político e intelectual quaisquer contestações, sempre associadas a conspirações e doutrinações diversas, às suas narrativas.

As suas reemergências periódicas nos lembram, assim, que a história é sempre algo contestado e contestável, usado e usável, para diferentes fins por diferentes atores sociais e que não há nenhuma garantia de que, em um dado momento, as pessoas não optem por acreditar em contrassensos variados – isso já aconteceu antes e não há motivos, salvo um otimismo deslocado da realidade, para acreditar que não ocorrerá novamente.

Para nós, historiadores e historiadoras, é preciso tenacidade e serenidade para enfrentar tamanhos problemas, mesmo que nos pareçam absurdos, desesperadores ou um desvio de nossas reais funções. É preciso resgatar nossas promessas, sempre provisórias e passageiras, mas não menos potentes, para com os vivos e para aqueles e aquelas que não estão mais entre nós. Afinal, para recuperar Walter Benjamin[16], o avanço destes negacionismos e projetos intelectuais e políticos a eles associados, nos recordam que, nas nossas atuais circunstâncias, nem os mortos estão seguros.

Notas

[1] FONER, Eric.  Who Owns History? New York: Hill and Wang, 2002, p. XIX

[2] NICOLAZZI, Fernando. O Brasil Paralelo entre o passado histórico e a picanha de papelão. In: https://www.sul21.com.br/opiniaopublica/2019/04/2019-o-brasil-paralelo-entre-o-passado-historico-e-a-picanha-de-papelao-por-fernando-nicolazzi/ & NICOLAZZI, Fernando. A história da ditadura contada pelo Brasil Paralelo. In: https://www.sul21.com.br/opiniaopublica/2019/03/a-historia-da-ditadura-contada-pelo-brasil-paralelo-por-fernando-nicolazzi/

[3] No vídeo sobre a ditadura civil-militar (“1964: o Brasil entre armas e livros”, 2019) produzido pelo grupo, um dos colaboradores chega a se perguntar “que raios de ditadura era aquela?”, na clara tentativa de minimizar ou mesmo negar, por exemplo, a ocorrência de torturas durante o regime – o que, em outro momento, é chamado de “brincadeira de criança” por um segundo comentador. Sobre isto, cabe-se perguntar se a torturas documentadas e descritas, por exemplo, por Caroline Silveira Bauer (2011) em obra de referência sobre o tema, podem ser consideradas “brincadeiras de criança”.  BAUER, Caroline Silveira. Brasil e Argentina: ditaduras, desaparecimentos e políticas de memória. Porto Alegre: ANPUHRS/Medianiz, 2014.

[4] Vídeo “Escravidão no Brasil”, publicado no cala de YouTube do grupo em 2017.

[5] NARLOCH, Leandro. Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil. São Paulo: Leya, 2009.

[6] CHAKRABARTY, Dipesh. History and the politics of recognition. In: MORGAN, Sue; MUNSLOW, Alun & JENKINS, Keith. Manifestos for History. London: Routledge, 2007. p. 66-67.

[7] Ver BLACK, Jeremy. Clio’s Battles. Bloomington: Indiana University Press, 2015. p. 207-213.

[8] Ver FONER, Eric. Battles for Freedom: the use and abuse of American history. New York: I. B. Tauris/The Nation, 2017. p. 175-190.

[9] Ver https://www.washingtonpost.com/news/worldviews/wp/2018/06/27/polands-holocaust-law-caused-an-outcry-now-in-a-surprise-its-being-largely-reversed/?utm_term=.4832c86127bc

[10] Refiro-me aqui às polêmicas envolvendo tanto à lei francesa 2005-158, que instava os docentes a ensinarem os “aspectos positivos” do colonialismo aos e às estudantes do país, mais tarde parcialmente repelida, e à polêmica em torno de um artigo publicado em 2017 na revista Third World Quarterly, em que o autor advogava por um “novo colonialismo” para “civilizar” a África, em especial – neste caso, após uma intensa controvérsia, o texto foi retirado do ar.

[11] KEINBERG, Ethan. Pandering to the timid.: the truth about post truth. Wild On Collective, 2019. In: http://theoryrevolt.com/post-truth.

[12] KLEINBERG, Ethan. Pandering to the timid. p. 3

[13] FANON, Frantz. Black Skins, White Masks. New York: Grove Press, 2008, p. 204-205.

[14] FRIEDLANDER, Saul. History, memory, and the historian: dilemmas and responsibilities. In: New German Critique, vol. 21, spring-summer 2000, p. 14

[15] RICOUER, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editoria Unicamp, 2007.

[16] BENJAMIN, Walter. Teses sobre o conceito de história. In: Obras Escolhidas, vol. 1: magia e técnica, arte e política. São Paulo, Brasiliense, 2012. p. 244.

Referências Bibliográficas

BAUER, Caroline Silveira. Brasil e Argentina: ditaduras, desaparecimentos e políticas de memória. Porto Alegre: ANPUHRS/Medianiz, 2014.

BENJAMIN, Walter. Teses sobre o conceito de história. In: Obras Escolhidas, vol. 1: magia e técnica, arte e política. São Paulo, Brasiliense, 2012.

BLACK, Jeremy. Clio’s Battles. Bloomington: Indiana University Press, 2015. p. 207-213.

CHAKRABARTY, Dipesh. History and the politics of recognition. In: MORGAN, Sue; MUNSLOW, Alun & JENKINS, Keith. Manifestos for History. London: Routledge, 2007. p. 66-67.

FANON, Frantz. Black Skins, White Masks. New York: Grove Press, 2008, p. 204-205.

FONER, Eric.  Who Owns History? New York: Hill and Wang, 2002.

FONER, Eric. Battles for Freedom: the use and abuse of American history. New York: I. B. Tau-ris/The Nation, 2017. p. 175-190.

FRIEDLANDER, Saul. History, memory, and the historian: dilemmas and responsibilities. In: New German Critique, vol. 21, spring-summer 2000, p. 14

KEINBERG, Ethan. Pandering to the timid.: the truth about post truth. Wild On Collective, 2019.

NARLOCH, Leandro. Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil. São Paulo: Leya, 2009.

NICOLAZZI, Fernando. A história da ditadura contada pelo Brasil Paralelo. In: https://www.sul21.com.br/opiniaopublica/2019/03/a-historia-da-ditadura-contada-pelo-brasil-paralelo-por-fernando-nicolazzi/

NICOLAZZI, Fernando. O Brasil Paralelo entre o passado histórico e a picanha de papelão. In: https://www.sul21.com.br/opiniaopublica/2019/04/2019-o-brasil-paralelo-entre-o-passado-historico-e-a-picanha-de-papelao-por-fernando-nicolazzi/.

RICOUER, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editoria Unicamp, 2007.

Arthur Lima de Avila possui graduação em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestrado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e doutorado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com bolsa do CNPq e cuja tese recebeu o Prêmio Capes 2011 em História. Atualmente, é Professor Adjunto no Departamento de História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de História, com ênfase em História da América, Teoria da História, Historiografia e História dos Estados Unidos, atuando principalmente com os seguintes temas: teoria da história, história intelectual, usos do passado, historiografia norte-americana, história do Oeste norte-americano e dos Estados Unidos.

Como citar este artigo

AVILA, Arthur de Lima. Qual passado usar? A historiografia diante dos negacionismos (artigo). In: Café História – história feita com cliques. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/negacionismo-historico-historiografia/‎. Publicado em: 29 abr. 2019. Acesso: [informar data].


1 Trackback / Pingback

  1. ¿Qué pasado usar? La historiografía ante los negacionismos – De Re Historiographica

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*