FOTO: Sam Bayle; Unplash.

Pesquisa mostra que imprensa reconhece conquistas da Lei de Cotas e defende sua continuidade

Relatório analisa posicionamento sobre Lei de Cotas de veículos de comunicação da grande mídia, entre junho e novembro de 2021. Maioria dos argumentos (60,7%) são favoráveis às cotas, contra 29% neutros e 10,3% contrários. Posicionamento atual da mídia, que considera a lei uma política antirracista, se contrapõe à visão de dez anos atrás.

Prestes a completar dez anos de existência, a Lei 12.711/2012, conhecida como Lei das Cotas, terá seus efeitos e impactos em promover a equidade racial no Ensino Superior avaliados, o que tem intensificado a cobertura do assunto pela mídia nacional. Levantamento realizado pelo Núcleo de Estudos Interdisciplinares Afro-brasileiros da Universidade Estadual de Maringá (UEM) revelou que a maior parte da cobertura midiática sobre o tema em 2021 considera que a Lei de Cotas foi fundamental para a inclusão de alunos e alunas negros(as) no ensino superior e deve ser mantida e aprimorada. Os resultados estão em relatório antecipado pela Bori, divulgado na quarta (9).

A pesquisa, que contou com a supervisão e apoio da Associação Brasileira de Pesquisadores (as) Negros (as) (ABPN), buscou identificar as principais ideias sobre a Lei das Cotas em grandes veículos de comunicação brasileiros entre junho e novembro de 2021. Para isso, as pesquisadoras analisaram 75 textos publicados em formato digital, entre reportagens, notícias e artigos dos portais Uol, R7, G1 e O Antagonista, dos jornais Folha de S.Paulo, O Globo e Correio Braziliense e da revista Fórum. As buscas foram realizadas a partir das palavras-chaves “Lei 12.711”, “Cotas raciais”, “Cotas para negros” e “Lei de cotas”.

Em uma primeira etapa, as pesquisadoras identificaram 141 trechos no material analisado, que se referem a argumentos sobre a Lei das Cotas. Esses foram classificados de acordo com o assunto (cotas ou outros), questão racial (sim ou não), abordagem quanto às leis de reserva de vagas (se tratava da lei ou de temas correlatos) e tipo de posicionamento (favorável, contrário ou sem posicionamento). Na etapa seguinte, foi feita uma análise mais aprofundada dos argumentos, que foram agrupados em 12 chaves de leitura, como “abertamente contrário a cotas e negação do racismo”, “efeito das cotas no acesso às universidades, pós-graduação ou concursos públicos”, “exclusão de cotas raciais” e “revisão ou atualização da Lei de Cotas”.

Dos 141 trechos analisados, 76% se referiam diretamente às cotas e 24% tratavam de outros assuntos, como questões raciais e diversidade, tangenciando ou não a questão da reserva de vagas. Das matérias relacionadas diretamente às cotas, 60,7% se mostraram favoráveis às cotas, 29% neutros e 10,3% contrários. Em relação à classificação por chaves de leitura, as posições contrárias a cotas ou que defendem o fim do critério racial, presentes nas chaves “abertamente contrário a cotas e negação do racismo” e “exclusão de cotas raciais”, apareceram em apenas 8 ocorrências, correspondendo a 7,5% do total.

Aprovada em 2012, a Lei 12.711/2012 estabelece a reserva de vagas para o Ensino Superior, ao garantir a reserva de vagas em universidades e institutos federais de educação aos alunos oriundos de escolas públicas e àqueles autodeclarados negros e indígenas.

“Quando a Lei de Cotas foi aprovada, em 2012, era visível um posicionamento, em geral, contrário a ela, especialmente no aspecto racial. Havia apoio para as cotas sociais, para estudantes de escolas públicas, mas não para o critério de raça. Hoje, dez anos depois, esse cenário mudou”, diz Delton Aparecido Felipe, docente da UEM, membro do NEIAB e diretor de relações internacionais da ABPN. “Isso se deve aos resultados obtidos e também porque temos uma discussão maior sobre os impactos do racismo na população brasileira. A maioria das reportagens ressalta a relevância da lei para a inclusão de alunos e alunas negros(a) no ensino superior, principalmente nas instituições públicas, e como uma política antirracista”.

Segundo ele, as reportagens também mostram que a lei tem pontos que precisam ser aprimorados. Entre eles estão a inserção de alunos e alunas negros(as) em cursos de alta concorrência, como medicina e direito, e a criação de estratégias de permanência nas universidades, como o aumento de professores(as) negros(as) nas instituições.

“Como estamos em um contexto político adverso a esse tipo de política, existe uma preocupação que essa lei venha sofrer depreciação. Nesse contexto, resolvemos verificar como a grande mídia está pensando essa questão. O levantamento mostrou que, hoje, ela se posiciona a favor das cotas e do aspecto racial como estratégia para combater o racismo e diminuir as desigualdades raciais e, por isso, precisa ter continuidade”, sintetiza Delton.

Agência Bori

A BORI é uma iniciativa criada para conectar o conhecimento inédito produzido por pesquisadores brasileiros a jornalistas de todos os tipos de veículos de comunicação do país. Por enquanto, estamos trabalhando com uma versão beta, ainda em testes.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.