O que faz um professor ou professora universitária?

Diferente do que se imagina no senso comum, ser docente no ensino superior vai muito além de dar aulas e corrigir provas.

Por Bruno Leal Pastor de Carvalho

O que, afinal de contas, faz um professor ou uma professora no ensino superior, no Brasil? Quais são as suas principais atividades, dinâmicas, deveres e responsabilidades?

Depois da polêmica da suposta “balbúrdia”, jornalistas e pesquisadores têm se esforçado para mostrar que as universidades públicas no Brasil são responsáveis pela maior parte das pesquisas científicas realizadas no país, e que o desempenho dessas instituições é considerado de excelência por rankings nacionais e internacionais. Porém, é possível que uma boa parte da sociedade brasileira ainda desconheça o que acontece dentro de uma universidade pública, sobretudo o que faz um professor universitário.

professor universitário
Campus Darcy Ribeiro da Universidade de Brasília (UnB), na Asa Norte. Foto: Bruno Leal.

Esclarecer este ponto é o objetivo deste artigo. Não se espera com isso mostrar que o docente do ensino superior é sobrecarregado de trabalho ou muito menos que ele trabalha mais do que qualquer outro ramo de atividade. A intenção aqui é compartilhar aquilo que constitui a rotina deste profissional, indo desde as atividades mais evidentes até aquilo que não é tão visível em seu cotidiano, mas que é importante para a produção de conhecimento e para o funcionamento das instituições de ensino e pesquisa.

Espero contribuir, assim, para a desmistificação da realidade universitária e para uma melhor compreensão da atividade cientifica, tão necessária ao desenvolvimento do país. Também procuro no texto a seguir esclarecer um pouco quais são os caminhos a serem percorridos para quem estiver considerando seguir esta bonita profissão.

Ingressando na carreira

Antes de falar sobre as atividades dos docentes, vale explicar como alguém se torna um professor universitário. No caso das universidades federais (e estaduais também), o ingresso na carreira se dá por meio de concurso público, que pode ser realizado para preenchimento de uma vaga efetiva (professor adjunto ou assistente) ou para uma vaga temporária (professor substituto). A vaga contempla uma área específica, por exemplo: no caso de um curso de História, os editais podem abrir vagas para cadeiras como “História Contemporânea”, “História Medieval” ou “Teoria da História”.

Depois de publicado o edital no Diário Oficial da União, os candidatos podem fazer as suas inscrições. É preciso estar muito atento aos critérios para a seleção. Muitas vezes, as universidades procuram candidatos com sólida experiência acadêmica e produção científica, o que se traduz nas exigências estipuladas pelo edital. Em geral, esses concursos são pagos, mas é possível encontrar concursos em que não há custos.

Uma das exigências mais comuns é uma titularidade mínima. Em áreas como a de História, essa titularidade mínima é hoje quase sempre o doutorado, especialmente se o concurso for para uma vaga efetiva. Uma universidade que exija do candidato o título de doutor, por exemplo, busca preencher sua vaga para professor universitário com um pesquisador ou pesquisadora que tenha concluído diversas etapas de formação nas quais lhe são exigidos trabalhos originais de pesquisa para conclusão, ou seja, o candidato deve ter concluído a graduação (em geral, 4 anos), o mestrado (2 anos) e o doutorado (4 anos). Esses cursos exigem que o aluno realize trabalho de pesquisa e produção de conhecimento científico. Aliás, é nessa trajetória que as bolsas de pesquisa científica, especialmente as financiadas pelo Estado, fazem toda a diferença.

Outros cursos podem ser considerados um diferencial, dependendo do edital, mas não substituem a formação acadêmica. Estão nessa categoria de “outros cursos” os MBAs, as pós-graduações lato sensu (conhecidas como especializações), os cursos livres, tanto os presenciais como os de internet, cursos de extensão e de línguas. O pós-doutorado, mesmo não sendo um título, também pode ajudar em alguns casos. E vale fazer aqui também uma outra observação importante: dominar pelo menos uma língua estrangeira costuma ser fundamental para a carreira, uma vez que certamente será necessário ler materiais produzidos por pesquisadores estrangeiros que não foram traduzidos para o português. As seleções para entrada nos mestrados e doutorados já costumam incluir prova de línguas, em geral, inglês ou espanhol. Uma dica é aproveitar o período da graduação e “puxar matérias” ou fazer cursos de línguas que muitas vezes são oferecidos nas próprias universidades – públicas e algumas particulares.   

A procura pelo concurso pode variar bastante, indo desde processos seletivos que tenham apenas três candidatos até outros que podem facilmente ultrapassar o número de 100 candidatos. Isso vai depender de fatores como a instituição, o curso e a cidade. Já as vagas disponíveis costumam ser apenas uma por vez, embora os demais aprovados fiquem como “cadastro reserva” e possam ser convocados conforme necessidade da universidade – desde que, é claro, tenham atingindo a nota mínima de aprovação.

As etapas do concurso nem sempre são iguais, mas em geral contam com prova escrita (a partir de temas previamente conhecidos, mas sorteados apenas na hora da prova), análise de títulos, prova didática (a partir de temas previamente conhecidos, mas sorteados no mínimo 24 horas antes da prova) e entrevista ou memorial profissional. Em alguns casos, exige-se ainda do candidato um projeto de pesquisa. Em outros casos, há também prova oral de conhecimentos com arguição. Em cada uma dessas etapas, os candidatos vão sendo eliminados quando não atingem a nota mínima. As bancas que avaliam os candidatos costumam ser formadas por professores especializados na área do concurso em número equilibrado de docentes da casa (ou seja, da própria instituição) e de fora (de outras universidades).

Uma vez aprovado, o candidato, como ocorre em qualquer concurso público, espera ser nomeado, toma a posse e, deste modo, ingressa na carreira docente. Não como professor apenas, mas como professor-pesquisador. As universidades, afinal de contas, devem tanto formar novos profissionais, como produzir conhecimento.

Não são muitas as universidades particulares que investem em pesquisa científica no Brasil, mas as que investem costumam seguir processos de seleção semelhantes aos processos das universidades públicas. Eles funcionam como uma espécie de referência.  As demais instituições de ensino superior na área privada, isto é, aquelas com menor vocação para pesquisa, costumam adotar critérios de seleção mais empresariais.

As atividades de ensino e pesquisa

Uma aula não é um simples ponto de partida, mas um ponto de chegada de todo professor. Ela começa muito antes. Para preparar uma aula de duas horas, um professor universitário costuma levar cerca de quatro horas ou mais, garantindo a profundidade da discussão a ser apresentada. Além de dominar o conteúdo – é preciso estar, afinal, sempre renovando as leituras e atento às novas descobertas – a rotina da sala de aula inclui preparar planos de aula, fazer opções didáticas, selecionar bibliografia relevante e acessível, escolher fontes (no caso do historiador), elaborar apresentações etc. Aliás, de “rotina” mesmo, uma aula tem pouco. A cada semestre mudam os alunos, surgem novas pesquisas e formas de abordar um tema, o que faz com que a aula se transforme muito.

As exigências relacionadas às bibliografias no meio universitários são cada vez maiores, uma vez que os alunos de graduação precisam ser tanto apresentados aos pensamentos clássicos da sua área do conhecimento, como às novidades que estão surgindo – por isso é tão importante dominar pelo menos uma língua estrangeira. Também, de olho na riqueza de olhares que a diversidade pode trazer para as mais variadas pesquisas, tem sido cada vez mais demandado dos docentes uma ampliação das nossas referências tradicionais nas ciências a fim de se incluir a produção relevante de diferentes nacionalidades, gêneros e etnias. Isso tem ajudado o campo da historiografia, por exemplo, a romper com etnocentrismos e perspectivas exclusivamente europeias.  

Além das aulas em si, professores também elaboram provas e trabalhos, separam boa parte de seu tempo para atender alunos da graduação (muitos dos quais desenvolvem trabalhos de iniciação científica ou que estão escrevendo a monografia) e para a orientação de  pesquisadores de mestrado e doutorado. É muito comum encontrar professores que tenham mais de 10 orientandos por semestre. Há também professores que contam com monitores em suas disciplinas, em geral alunos(as) de graduação que podem auxiliá-lo em suas atividades. Mas é importante destacar que são profissionais ainda em formação, portanto, demandam cuidado especial de orientação e gerenciamento.  Podem receber bolsa ou podem ser voluntários.

No dia a dia da sala de aula, professores são continuamente desafiados, por exemplo, a enfrentar alunos em situação de risco: que moram em áreas violentas, que estão passando por dificuldades financeiras ou doenças graves na família, que lidam com transtornos de aprendizagem, estão desmotivados ou enfrentam problemas como depressão. Não é papel do professor assumir uma responsabilidade que vai além de suas capacidades, afinal, ele não tem como assumir o lugar de um psiquiatra ou de um consultor financeiro. Mas é impossível não ter empatia e é necessário oferecer a mão no sentido de ajudar o estudante a buscar ajuda apropriada.

A rotina de um professor universitário
Sala de aula na Fundação Getúlio Vargas (Rio de Janeiro) durante evento sobre Humanidades Digitais (2018). Participação e organização de congressos é uma das atividades que fazem parte da rotina de um professor universitário. Foto: Bruno Leal.

Uma vez que também são pesquisadores, professores universitários também escrevem artigos; desenvolvem pesquisas acadêmicas; criam laboratórios, núcleos e grupos de estudos; organizam seminários, congressos e colóquios; participam de bancas de avaliação e seleção, que podem ocorrer dentro ou fora da sua instituição, o que quer dizer que ele está continuamente se descolando dentro e fora do país. Aeroportos e hotéis são paisagens bastante comuns da vida de um professor universitário. Se você passar pelo saguão de um aeroporto e vir alguém compenetrado lendo e fazendo anotações em um calhamaço espiralado de 400 ou 500 páginas, é muito provável que seja um professor fazendo a última leitura de uma tese de doutorado antes do voo.

A produção acadêmica é fundamental para um professor manter-se, por exemplo, credenciado ao programa de pós-graduação. Para escrever um artigo, um professor, no nosso caso, um professor de História, precisa fazer muitas leituras, visitar arquivos, bibliotecas e ler muitos livros e outros artigos. Esse processo pode levar meses. Outra etapa importante da produção do conhecimento é a escrita, que também precisa ser meticulosa, indicando todos os procedimentos metodológicos e a abordagem teórica. Depois de finalizado o artigo, o docente submete o material a um periódico científico. Algo similar se dá com a elaboração de livros autorais ou de livros organizados por mais de um autor, outras duas formas de publicação de pesquisas.

Na qualidade de especialistas, os professores atendem ainda, de forma recorrente, jornalistas que querem uma fala ou mais informações para suas matérias e reportagens. Também podem ter que se preparar para responder a alguma demanda especial do governo ou para receber missões avaliadoras, como aquelas do Ministério da Educação, que avaliam curso de ensino superior. Há épocas em que professores são chamados para recepcionar calouros; épocas em que professores são convidados para serem paraninfos de formandos e precisam corresponder aos anseios de seus futuros colegas de profissão – algo que, apesar de trabalhoso, é extremamente gratificante.

Atividades administrativas

Mas não é só de ensino e pesquisa que vive o(a) docente do ensino superior: há ainda um quinhão de tarefas administrativas. Isso é mais comum quando o acadêmico assume cargos de chefia – e quase todo professor, em algum momento da carreira, acaba assumindo um posto desses. Dois são mais comuns: a coordenação de graduação e a chefia de departamento (na pós-graduação, concomitantemente, também ocorre divisão semelhante, mas neste caso, vale lembrar que participar da pós-graduação é uma opção).

Coordenador(a) de graduação (e seu/sua vice) e chefe de departamento (e seu/sua vice) são cargos que estão muito conectados, mas a natureza de seu trabalho é diferente. O(A) coordenador(a) de graduação, como o próprio nome sugere, está preocupado mais com o dia a dia da graduação: ele(ela) monta os horários dos professores, busca auxiliar os alunos prestes a se formar para que efetivamente se formem, resolve problemas de matrícula, acompanha pedidos de reintegração de estudantes, cuida da logística de todas as salas e outras tantas tarefas. Vale lembrar que um departamento pode ter mais de 60 docentes, como é o caso do Instituto de História da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói (RJ), e uma graduação pode ter mais de 800 alunos, como é o caso da Universidade de Brasília (UnB).

Já o chefe de departamento tem uma função mais próxima do corpo docente. Esse chefe aprova férias e avalia afastamentos de docentes, cuida de projetos de extensão, está em constante contato com outros departamentos, institutos e com a reitoria, cuida do orçamento, recebe novos professores, monta as mais diversas comissões que operacionalizam o departamento (de estágios probatórios até revalidação de diplomas), encaminha aposentadorias e ainda atua como mediador de conflitos. Cuidam ainda da infraestrutura do espaço físico e supervisionam também o trabalho dos vários servidores e técnicos alocados dentro do departamento. 

Não é raro que os chefes de departamento e coordenadores de graduação tenham suas cargas horárias em sala de aula diminuídas enquanto ocupam tais cargos, haja vista que o volume de trabalho aumenta consideravelmente, sobretudo se levarmos em conta que muitos cursos funcionam em dois ou até três turnos.

Outra tarefa administrativa, e esta sim envolve todos os professores, são as reuniões de colegiado – como genericamente é chamado o corpo docente que compõe o departamento. Essas reuniões são realizadas semanalmente, quinzenalmente ou mensalmente, dependendo do tamanho do curso e de suas demandas. Comandadas pelo chefe do departamento, é baseada em uma pauta composta por uma série de itens que devem ser discutidos e votados pelo colegiado. Trata-se, portanto, de uma dinâmica bastante democrática – todos os professores possuem o mesmo peso na reunião. Em algumas instituições, representantes dos alunos costumam participar dessas reuniões.

Existe ainda um conjunto de atividades técnicas, que de certa forma também são administrativas, e que fazem parte do escopo de trabalho de todo professor universitário. Uma das mais comuns são as chamadas “comissões acadêmicas”.

Os departamentos possuem uma série de demandas técnicas e o chefe de departamento tem a prerrogativa de montar comissões para analisar tais demandas. Essas comissões são formadas em geral por três professores, o mais sênior como presidente. Há vários tipos de comissão: para avaliar revalidação de diplomas emitidos no exterior; para seleção de monitores; para avaliação de estágios probatórios; para considerar licenças para estágios pós-doutorais ou de capacitação; para escolher as melhores dissertações, teses e monografias; para examinar casos de indisciplina de alunos e de recursos montados por estudantes quanto a notas de provas; para cuidar de novos projetos etc.

Dentro das “atividades técnicas”, estão ainda incontáveis atividades corriqueiras, que vão desde o preenchimento de relatórios de prestação de contas enviados a agências de fomento à pesquisa, atividades de extensão (atividades voltadas para a comunidade não acadêmica), emissão de pareceres, controle da carga patrimonial, confecção de certificados, solicitação de diárias e passagens para professores que participarão de bancas ou eventos acadêmicos etc. Toda a trajetória do docente fica registrada nos sistemas informatizados das universidades.

Para além dos muros da universidade

As universidades possuem diversas iniciativas de atuação com o grande público, seja por meio das atividades de extensão universitárias, da divulgação de conhecimento científicos ou da prestação de serviços. E o mais interessante, o ambiente universitário costuma ser um espaço propício a inovações e experimentações, o que significa que novos projetos de professores e alunos podem ganhar vida: seja por meio de apoio, parceria, expertise, espaço, equipamento, financiamento e/ou visibilidade.

Os exemplos dos projetos são dos mais variados, mesmo dentro de uma mesma área, como é o caso da História. No campus de Assis da Universidade Estadual Paulista (Unesp) funciona uma empresa júnior de História, a Contemporânea. Na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o Laboratório de Mundos do Trabalho acaba de lançar um podcast, o Vale Mais, além de site e perfil em diversas redes sociais.

A ideia de explicar o que faz, afinal de contas, um professor universitário, contudo, não é defender-se de acusações espúrias – que atualmente elegeram os professores de forma geral como alvo principal –, mas sim contribuir para uma maior aproximação do grande público com a rotina da universidade, daqueles que nela circulam e trabalham diariamente, local que pertence a toda a sociedade, local onde se formam profissionais e cidadãos e onde se desenvolvem pesquisas fundamentais para a consolidação da democracia e do futuro do país.

Bruno Leal é fundador e editor do Café História. É professor adjunto de História Contemporânea do Departamento de História da Universidade de Brasília (UnB). Doutor em História Social (UFRJ, 2015). Mestre em Memória Social (UNIRIO, 2009), Especialista em História Contemporânea (PUCRS, 2010), Graduado em História (UERJ, 2006) e Comunicação Social (UFRJ, 2006). Foi professor do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense (UFF). Tem pós-doutorado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pesquisa História Pública, História Digital e Divulgação Científica. Também desenvolve pesquisas sobre crimes nazistas e justiça no pós-guerra, com especial ênfase no destino dos criminosos nazistas. Foi cocoordenador do Núcleo Interdisciplinar de Estudos Judaicos e Árabes da UFRJ, o NIEJ entre 2011 e 2018. É membro da Rede Brasileira de História Pública e da Associação das Humanidades Digitais.

Como citar este artigo

CARVALHO, Bruno Leal Pastor de Carvalho. O que faz um professor ou professora universitária?  (Artigo). In: Café História – história feita com cliques. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/o-que-faz-um-professor-universitario/. Publicado em: 17 jun. 2019.

4 Comentário

  1. Artigo muito completo, com importantes informações sobre a carreira, útil e fundamental para a compreensão do papel do professor universitário e da universidade pública. Parabéns, Bruno, por mais um trabalho de excelência!

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*