Entre documentos e textos: o site de História Republicana Brasileira do Arquivo Nacional

Lançado há pouco menos de um ano, o projeto se vale do seu maior tesouro para falar sobre a História Republicana brasileira: o seu acervo.

Bruno Leal | Agência Café História

Disponibilizar ao internauta fontes, informações e conhecimentos confiáveis sobre eventos da História Republicana Brasileira. Esta é a maior missão do site de divulgação científica de História Que República é essa?, no ar desde junho de 2018.

Coordenado pela Equipe de Pesquisa do Arquivo Nacional, o projeto é dividido em cinco seções: “Assista um filme”, “Uma surpresa”, “Conte uma história”, “Conheça nosso acervo” e “Conheça um documento”. Há também um espaço dedicado a listas bibliográficas (divididas por temas) e de links úteis (que ainda vai entrar no ar).

Fragmento do Ato Institucional N.5. Fonte: Arquivo Nacional.
Fragmento do Ato Institucional N.5. Fonte: Arquivo Nacional.

Apresentando o rico acervo da instituição, essas seções oferecem informações com textos objetivos e linguagem acessível, nos quais são utilizados documentos dos mais variados tipos, tais como: processos, jornais, cartas, ofícios e relatórios, além de fotografias, cartazes, mapas, filmes, música, discursos e propagandas em áudio. Tudo é selecionado a partir de rigorosa pesquisa para ajudar a contar a história de forma mais lúdica e dinâmica. Todos esses documentos podem ser baixados gratuitamente.

Censura no Brasil

Um dos artigos publicados recentemente no site explora a censura no país. Nele, a cientista política Viviane Gouvêa, pesquisadora do Arquivo Nacional, examina os diferentes momentos de nossa história republicana em que o Estado interferiu na liberdade de escritores, jornalistas e artistas censurando suas obras. Um dos documentos usados no texto foi o decreto-lei original que cria o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), em 1939, durante o Estado Novo de Vargas.

“A criação do Departamento de Imprensa e Propaganda concretizou a centralização e o controle do governo federal sobre toda forma de comunicação realizada no país, objetivando explicitamente combater a difusão de ideias consideradas ‘perniciosas’: em um momento em que o comunismo começava a despontar como opção viável e a repressão ao movimento sindical se fazia cada vez mais presente, tornou-se necessário impedir o quanto possível a divulgação de tais ideias”, explica Gouvêa no texto.

Receptividade do site

Embora algumas seções ainda não estejam prontas e a periodicidade dos conteúdos novos ainda não esteja bem definida, o site tem sido alimentado com frequência e recebido bastante acessos, o que tem gradado a equipe responsável por ele:

– A receptividade ao site tem sido ótima. Lançamos em junho de 2018 e já nos primeiros meses ultrapassamos a marca de 10 mil acessos. Número ainda pequeno para nossas pretensões, mas grande para um site recém-lançado e basicamente com divulgação boca a boca – disse Thiago Mourelle, Supervisor da Equipe de Pesquisa do AN e um dos responsáveis pelo Que República é essa?

Mourelle contou ao Café História que o texto recordista de acessos até agora foi o da Guerra do Contestado, do professor Paulo Machado (UFSC), seguido de perto pelo texto sobre greves, de autoria do professor Marco Aurélio Santana (UFRJ). “Mas todos tem tido boa repercussão e procura”, destaca Mourelle, doutor em História pela UFF.

Outros sites

O Arquivo Nacional possui ainda outros sites temáticos: História Luso-Brasileira, focado no período entre séculos XVI e XIX, e que é complementado por um Roteiro de Fontes; Retratos Modernos, com imagens que revelam a introdução da fotografia no Brasil, entre séculos XIXI e início do XX; e o site do Centro de Informações de Acervos dos Presidentes da República.

Como citar essa notícia

CARVALHO, Bruno Leal Pastor de. Entre documentos e textos: o site de história republicana brasileira do Arquivo Nacional (notícia). In: Café História – História feita com cliques. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/brasil-republica-arquivo-nacional. Publicado em: 20 fev. 2019.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*