Historiadora investiga a prática do Skateboarding no Brasil

Em pesquisa de pós-doutorado, Andrea Casa Nova Maia, professora da UFRJ, examina o interessante terreno da cultura urbana no Brasil. História Cultural e História Oral são as abordagens utilizadas no estudo.

Agência Café História

A historiadora Andrea Casa Nova Maia, professora do Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro, está se licenciando de suas atividades acadêmicas regulares para iniciar um estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em História da FAFICH/UFMG, sob a orientação de Regina Helena Alves. Maia vai desenvolver uma pesquisa original sobre a prática do Skateboarding no Brasil. Seu projeto de pesquisa se intitula: “Cultura Urbana e Juventude Radical: uma História Social da cidade através da prática do Skateboarding nas praças e ruas do sudeste brasileiro (1974-2015)”.

O estudo tem como marco inicial meados da década de 1970, período em que o skate chega ao Brasil, e se estende até 2015, quando o primeiro campeonato de skate realizado no país, no final de 1974, no Rio de Janeiro, comemora 40 anos. Maia, no entanto, vai trabalhar com uma perspectiva comparada, analisando o chamado skateboarding em outras duas cidades: São Paulo e Belo Horizonte. Segunda explica em seu projeto de pesquisa, a ideia é tomar o skateboarding enquanto elemento de cultura jovem no espaço urbano contemporâneo dessas cidades, o que pressupõe, consequentemente, pensar música, moda, comportamento, entre outras questões. Para isso, ela trabalhará com a metodologia da História Oral e da História Cultural Urbana, além da Sociologia Urbana.

Skateboarding
A prática do skate é uma realidade, hoje, em grande parte das cidades. Foto: Victor Erixon, Unplash.

O Café História conversou com Andrea Casa Nova Maia sobre o surgimento do projeto. A historiadora contou que desde que chegou ao Rio de Janeiro tem trabalhado com a perspectiva da História das Cidades e, por isso, frequentado muitas praças do Rio. Ela sublinha que a histórica Praça XV, localizada no centro da cidade, foi fundamental na proposição do estudo. Segundo a historiadora, a Praça XV tem um coletivo de skate e foi palco de um importante movimento político surgido nos anos 1990. Esse movimento pedia a legalização do skate naquele espaço e reivindicava até mesmo a instalação de obstáculos. Ao saber dessa história, principalmente a partir de conversas com skatistas da região, Maia passou a se interessar bastante pelo skate de rua, o chamado street skateboard. Mas essa não foi a única inspiração de sua pesquisa, segundo explica:

– Também tinha uma coisa minha. Lá em Belo Horizonte, na minha época de juventude, eu andava com um grupo de punks e a gente se reunia na praça Praça Afonso Arinos, que também era um lugar de skatistas. Havia até mesmo os punks skatistas. O skate reúne uma cultura que não é só a questão do andar, do esporte, digamos assim. O skate é uma cultura mesmo, no sentido que você tem música e modos de vida envolvidos: como se vestir, como se portar e perceber a cidade e o espaço urbano. O skatista olha para um banco de praça e não vê um banco de praça; ele vê um pico de skate, ele vê a possibilidade de uma manobra. O skatista percebe a cidade de uma forma diferente da gente. Ele se apropria desse espaço urbano. Isso me interessa bastante. Eu, então, li algumas coisas, conversei com skatistas e resolvi ampliar a pesquisa para o sudeste, incluindo a Praça Roosevelt, em São Paulo, e a Praça Afonso Arinos, em Belo Horizonte, além da Praça XV, no Rio de Janeiro.

Além da pesquisa propriamente dita, o projeto de pós-doutorado de Maia também prevê a elaboração de artigos, apresentações, oferta de disciplinas, workshops e um livro. No caso deste último, a pesquisadora conta que a ideia é produzir um livro que reúna as imagens que muitos skatistas fazem durante suas incursões pelos espaços urbanos. Essas imagens, pontua, são formas de apropriação da cidade, uma produção artística. Tudo isso envolve a questão da moda, da música, do grafite e de outros elementos que fazem parte dessa “cultura do skate”. É o tipo de pesquisa, explica, que permite até mesmo compreender políticas de repressão, já que a polícia durante muito tempo reprimiu os adeptos do skateboarding no Brasil. “A minha expectativa com esse trabalho é que o skate possa ser pensado para além do esporte como uma pratica cultural, como um locus de encontro dessa cultura urbana”.

5 Comentário

    • Oi Emerson, tudo bem? O que você está pesquisando em São Paulo? Podemos trocar figurinhas sobre a prática do skate em São Paulo?

      • Olá Andréa. Estou ainda nas leituras preliminares para a monografia, mas pretendo pensar a relação entre o skatista e o espaço, como ele se adapta e/ou modifica esse espaço. Ainda não sei se irei utilizar como fonte as fotografias ou os vídeos de skate, ou os dois rsrs.Mas podemos sim trocar figurinhas sobre o assunto, ficaria feliz e debater o assunto com a colega.

  1. Olá, estou iniciando uma pesquisa historiográfica do skate em São Paulo, relacionando as práticas urbanas desse grupo com a repressão do poder público. Gostaria de saber se consigo acessar suas pesquisas Andrea, seria uma bela contribuição para minha pesquisa.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*