Quem tem medo das aulas online? Três ideias sobre o ensino a distância

“Reforçar a sala de aula física como o único lugar onde pode ocorrer a interação e a iluminação é, talvez inconscientemente, esquecer que a população massiva de nosso país jamais ocupará os bancos da universidade”.

Por Cristina Meneguello

A pandemia de coronavírus (COVID-19) não apenas vem rompendo rotinas, obrigando (quem pode) ao isolamento social e, principalmente, causando medo e sofrimento, como vem possibilitando uma discussão sobre Ensino a Distância (EAD) que, antes disso, raras vezes interessou à academia. No atual momento, muitas universidades estão aconselhando os docentes a manter contato ativo, ainda que virtual, com seus estudantes, organizando atividades, gravando aulas e sugerindo leituras.

Ante essa solução provisória de preservar algo do semestre numa situação de completa anormalidade – solução cujos efeitos é muito cedo para julgar – tem ocorrido certa reação que chegou a classificar a interação online como necessariamente ruim e desvalorizadora do trabalho docente. O senso-comum sobre “aulas online ruins” e a fetichização da aula presencial voltaram à tona, em debates não necessariamente educacionais.

Ensino a distância: um desafio ainda para o meio acadêmico. Foto: Agência Brasil, MCTIC.
Ensino a distância: um desafio ainda para o meio acadêmico. Foto: Agência Brasil, MCTIC.

Trabalhando com estratégias de EAD há mais de 15 anos, trago algumas reflexões sobre o tema, que resumo em três negativas que a seguir explicito em detalhes. O objetivo deste artigo é promover um debate mais aprofundado sobre a modalidade a distância de ensino, o que deve interessar não somente aos professores, mas também aos estudantes.

O EAD não é novidade.

O Ensino à Distância é uma área consolidada de práticas e de pesquisa que remonta à era pré-www. No passado, antes da internet, o ensino a distância era realizado por meio de correspondência, fascículos vendidos em bancas de jornal ou mesmo através de programas de televisão. Algumas instituições de ensino foram fundamentais para a consolidação da prática, como é o caso da Open University, fundada no Reino Unido em 1969.

Vencer as distâncias e a impossibilidade de seguir horários regulares de aulas eram as principais justificativas para as atividades que utilizavam o correio, imagens em postais e aulas gravadas em fitas cassete. Com o tempo, a tecnologia mudou, surgiram os AVA (ambientes virtuais de aprendizagem), mas mantiveram-se as justificativas: há pessoas que jamais terão acesso a conteúdos ou debates se não for por meio do EAD.

No Brasil, desde a década de 1990, a introdução dos sistemas informatizados ou, como se convencionou dizer, do “uso do computador”, gerou uma série de reações que variaram do otimismo puro à denúncia das limitações presentes no contexto educacional brasileiro. Lemos ou ouvimos relatos de professores preocupados com a forma como as novas tecnologias se relacionavam com o ambiente de ensino e deles exigiam dominar técnicas e linguagens. Muitos lançaram-se em cursos de formação de fim de semana para aprenderem a lidar com plataformas digitais pouco amigáveis, enquanto se lhes martelavam palavras de ordem como “computador substituindo professor”, “fim da lousa e giz”, “professores resistentes às novas tecnologias” ou “inserção dos jovens no mercado de trabalho via alfabetização digital”.

Ainda em 1993, José Armando Valente, pesquisador especialista em educação a distância, vaticinou que a utilização do computador como meio para transmitir a informação ao aluno apenas manteria a prática pedagógica vigente, ou seja, informatizaria processos de ensino preexistentes sem questionar dinâmicas tradicionais nem investir na formação dos professores que, naquele momento, não conheciam o mundo digital. Com efeito, o Programa Brasileiro de Informática em Educação (Proinfo), criado em 1997 pela Secretaria de Educação a Distância do Ministério de Educação (MEC), com o fito de introduzir a tecnologia de informática na rede pública de ensino, focou em “capacitar” os professores para que aprendessem comandos e utilizassem softwares específicos, perpetuando profissionais obsoletos. Tratou-se, portanto, de entender o EAD apenas como técnica.  

Se a era digital veio exigir novas habilidades e competências para a competitividade econômica com vistas ao mercado de trabalho, foi a escola que passou a ser a responsável por ensiná-las, com o apoio de programas federais e estaduais associados a empresas privadas de tecnologia. Conforme apresentado por Vera Lucia Menezes de Oliveira e Paiva, o Plano Nacional de Educação (2001) e as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica (2002) previram a preparação dos professores nos cursos de formação para o uso de novas tecnologias de informação e comunicação, e a integração delas em suas práticas docentes. Essa formação envolvia não só pensar a técnica, mas também as abordagens pedagógicas que dessem conta da nova linguagem.

Com semelhante definição de busca da tecnologia e da inclusão social por meio do ambiente digital, surgiram projetos como os Telecentros (na cidade de SP a partir de 2001 e, no âmbito federal, a partir de 2009); o PROUCA (Um Computador por Aluno, 2010), o Programa Nacional de Banda Larga do Governo Federal (2010) e o Observatório Nacional de Inclusão Digital (2015), cujas justificativas partilhavam da crença de que ter acesso ao computador e à internet diminuiria as desigualdades sociais entre os sujeitos que compunham as escolas participantes mas que, a contragosto, revelavam processos que, no Brasil, apenas potencializaram as desigualdades na instalação das telecomunicações desde a sua origem.

Em todas essas iniciativas, a imagem de uma lacuna a ser vencida entre professores “imigrantes digitais” e estudantes “nativos digitais” – na metáfora criada por Marc Prensky – reforçava a necessidade de dominar a nova linguagem para tornar os conteúdos ágeis e atraentes aos jovens estudantes, conquistando sua “errática atenção”. Com o tempo – Prensky criou sua metáfora em texto publicado em 2001 – a distinção “imigrantes versus nativos” digitais foi desaparecendo: boa parcela dos professores em sala de aula da Educação Básica (e Superior) é, hoje, composta por nativos digitais. Mas se atualmente não é mais a falta de familiaridade com o mundo digital o obstáculo a ser transposto, qual é?

O EAD não é “dar aula pelo computador”

Ainda parece ser necessário pontuar que EAD é uma coisa, “dar aula pelo computador”, outra. O EAD utiliza ambientes e ferramentas que não são posteriormente acrescentados a um plano de trabalho, mas sim presidem a concepção das aulas e dos cursos. Os especialistas em EAD estudam formas e ritmos de aprendizagem, tecnologias que possibilitem interações e avaliações a distância e adequação a ritmos individuais de aprendizagem, como por meio da metodologia self-paced learning (aprendizagem no próprio ritmo, uma impossibilidade no corpo a corpo da aula presencial). Em EAD há conhecimento acumulado e produção de conteúdos, que podem ou não ser reaproveitados em outras situações de aprendizagem. 

Em pleno 2020, afirmar que jovens não conhecem nem estão preparados para essas experiências tornou-se falacioso. Pesquisas recentes mostram como – para usar uma expressão coloquial – “mexer na internet” é algo que os jovens aprendem sozinhos ou com alguma ajuda de amigos ou familiares, mas que o uso de aplicativos para busca de conteúdos é dramaticamente menor do que para interações sociais ou jogos online, atividades que podem consumir várias horas do dia e da noite. Nos últimos anos, foi significativo o ingresso das redes digitais e sociais na realidade dos ensinos público e privado. Essa nova realidade, na qual o Brasil apareceu, em 2017, na 18ª posição em um ranking de 75 países em termos de possibilidades de acesso à internet, intensifica o desafio do uso das ferramentas online para a criação de ambientes de aprendizagem que enfatizem a construção do conhecimento. Em termos da prática docente, tal uso deveria dar novos sentidos ao aprendizado e propor novas interpretações para as experiências vividas, trazendo-as para a realidade de sala de aula virtual.

Simplesmente “passar” os conteúdos da sala de aula para o online está longe de ser satisfatório. Constatação óbvia, uma vez que a arquitetura de qualquer curso é pensada desde o princípio para, de forma sincrônica e diacrônica, ora contar com o docente, ora prescindir de sua presença. Com o EAD não é diferente, mas seu princípio é outro: as aulas voltam-se a um grande público, geralmente de não-especialistas. Falar via plataformas digitais com estudantes que já conhecemos ou cujo perfil padrão social e intelectual dominamos é infinitamente mais simples do que se remeter a esses amplos e heterogêneos públicos. E se lousa e giz continuam instrumentos amplamente utilizados, novas tecnologias de fato vieram para propor novas formas de aprendizagem, dentro e fora da sala de aula.

Com qualquer uma, professor e o aluno continuam sendo no EAD os grandes protagonistas no processo de aprendizagem. O processo de ensino não é neutro e nem o recurso tecnológico é uma intervenção isenta de intenções, finalidades ou crenças. As mediações operacionalizam o ensino, dando-lhe visibilidade, mas o seu sentido não está estabelecido por tais mediações; tampouco as tecnologias estão tornando obsoletas a leitura, o debate ou as análises trazidas pelos professores. Se as potencialidades das mídias digitais se desdobraram em múltiplas linguagens e ultrapassaram a descrição inicial do computador como um pretenso substituto do professor, cabe trabalhar com a inevitabilidade da presença da internet exatamente dentro da relação professor-aluno.

O EAD não é panaceia nem armadilha

A importância da inclusão digital no Brasil é indiscutível, pois a exclusão digital não está relacionada somente ao acesso à tecnologia, mas à falta de capacitação para usufruir de seu potencial. De acordo com o censo do Ministério da Educação, realizado em 1999, somente 3,5% do total das escolas de ensino básico estavam conectadas à Internet. Nas escolas privadas, que compreendiam em torno de 10% do total de alunos, o computador e o acesso à internet eram disseminados e utilizados como mecanismo de divulgação de uma imagem de modernidade do ensino ali praticado. Segundo levantamento da Fundação Getúlio Vargas, do total das escolas conectadas à internet 62.7% são particulares. Já os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que, em 2012, houve um avanço de 6,8% no uso de internet em relação ao ano anterior (5,3 milhões de novos internautas no intervalo de um ano). Dentre os grupos etários analisados, a faixa de 15 a 17 anos apresentou maior percentual de pessoas que acessaram a rede (76,7%). Uma pesquisa da empresa de consultoria digital Comscore realizada em 2015 classificou o país como “digitalmente maduro”, pois 63% dos seus 84 milhões de usuários de internet afirmaram praticar pelo menos onze usos distintos da rede. Note-se, porém, que há disparidade entre as atividades realizadas: no topo estão as redes sociais e, na outra ponta, atividades como cursos online, procurar emprego ou realizar compras.

Uma pesquisa da empresa de consultoria digital Comscore realizada em 2015 classificou o país como “digitalmente maduro”, pois 63% dos seus 84 milhões de usuários de internet afirmaram praticar pelo menos onze usos distintos da rede. Note-se, porém, que há disparidade entre as atividades realizadas: no topo estão as redes sociais e, na outra ponta, atividades como cursos online, procurar emprego ou realizar compras.

Segundo a PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua), o Brasil fechou 2016 com 116 milhões de pessoas conectadas à internet, o equivalente a 64,7% da população com idade acima de 10 anos – porcentagem que saltou para 74% em 2017. Os indivíduos com idade entre 18 e 24 anos apresentavam a maior taxa de conexão: 85% deles estavam online. Já os brasileiros com mais de 60 anos apresentavam o menor índice, 25%. O celular continua a ser o principal aparelho para acessar a internet no Brasil. Em 2016, o eletrônico era usado por 94,6% dos internautas, à frente de computadores (63,7%), tablets (16,4%) e televisões (11,3%). Assistir vídeos (programas, séries e filmes) foi apontado por 76,4% dos brasileiros conectados e superou as conversas por chamadas de voz ou vídeo, mencionadas por 73,3%. Os dados corroboram o que afirmara o sociólogo Bernardo Sorj, ao estudar o impacto da exclusão digital na desigualdade social e nas oportunidades e qualidade de vida: a exclusão digital possui forte correlação com as outras formas de desigualdade social, e, em geral, as taxas mais altas de exclusão digital encontram-se nos setores de menor renda.

Na Educação Básica, ou na Educação Superior Privada, não raro o EAD configurou em tentativas de substituir a figura do professor para eximir-se da responsabilidade social da educação dos jovens ou da responsabilidade geral para com os salários e condições de trabalho dos mestres. Ocorre que na Educação Superior Pública, laica e socialmente referenciada, esse é um caminho necessário, inclusive para fazer face aos grandes conglomerados educativos que fazem disso seu ganha-pão e dos “palestrantes-estrela” que tem milhares de seguidores em seus canais de YouTube mas pouca preocupação com seus conteúdos. O problema deixa de estar do EAD e passa a residir em quem está produzindo e veiculando os conteúdos. Por tempo demais a universidade pública no Brasil desconsiderou as centenas de interessados que poderiam ser beneficiados online, para depois assustar-se diante de sua pouca relevância na guerra contra as fake news e a desinformação.

Por fim, o que vemos e o que precisamos ver

Em uma palestra proferida no Brasil em 2010 (Fronteiras do Pensamento) e publicada em forma de livro em 2014 , o historiador italiano Carlo Ginzburg não apenas observou que o Google – o website mais visitado em todo o mundo – pode ser entendido como uma prótese na continuação de nossos corpos, sem o qual jamais teríamos acesso a uma miríade de informações, como ainda arriscou dizer que leitura fragmentária preconizada pela rede, sintetizada pela  intertextualidade, não era muito diversa da forma como o homem sempre leu, ou seja, escolhendo, selecionando, recortando . Nessa aula (que pode ser assistida online) ele afirmou que “A internet é um instrumento potencialmente democrático”.

Taxado de otimista por alguns críticos, Ginzburg não estava atento à personalização da internet por meio do que Eli Pariser chamou de “filtros-bolha”: “a internet nos mostra o que acha que queremos ver, e não necessariamente o que precisamos ver”. Pelos filtros (e algoritmos), desaparecem as opiniões contrárias e as ideias que nos desafiem e, na ausência de um fluxo de informações heterogêneo e por vezes desconfortável, não estão garantidos nem o ambiente democrático, nem “um sentido de vida pública e de responsabilidade cívica”. 

Mas o que Ginzburg também deixou claro é que, se para usar a internet é necessário ter privilégios culturais –  por sua vez atrelados a privilégios sociais –  é exatamente por essa razão que as escolas e as universidades precisam da internet e precisam ensinar a lidar com ela, suas informações, conteúdos e possibilidades. Reforçar a sala de aula física como o único lugar onde pode ocorrer a interação e a iluminação é, talvez inconscientemente, esquecer que a população massiva de nosso país jamais ocupará os bancos da universidade.

Referências Bibliográficas

Relatório ICT Facts and Figures

https://www.itu.int/en/ITU-D/Statistics/Pages/facts/default.aspx. Acesso em 16/3/2020.

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua

https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pnad_continua/default.shtm. Acesso em 20/3/2020.

CARVALHO, Bruno Leal Pastor de. “Faça aqui o seu login: os historiadores, os computadores e as redes sociais online” Revista História Hoje, v. 3, n. 5 (2014). https://rhhj.anpuh.org/RHHJ/article/view/126/100. Acesso em 19/3/2020

CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

DARNTON, Robert. “Cinco Mitos sobre a Era da Informação” Linguasagem. Edição 19, 2012. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos. (tradução de Marcela Franco Fossey).

DIAS, Cristiane. Cidade, cultura e corpo. A velocidade do mundo. Campinas: Labeurb/Unicamp, 2011.

GINZBURG, Carlo. “A história na era Google”. In: SCHÜLER, Fernando; WOLF, Eduardo (orgs.) Pensar o contemporâneo. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2014.

GINZBURG, Carlo. “A noção de verdade faz parte de nós”. Entrevista por Ivan Jablonka in: La vie des idées , 23 outubro 2015. http://www.laviedesidees.fr/La-notion-de-verite-fait-partie-de-nous.html. Acesso em 20/3/2020.

OLIVEIRA, Maria Paula Magalhães Tavares, SILVA, Maria Teresa Araújo et ali. Uso de Internet e de Jogos Eletrônicos entre Adolescentes em Situação de Vulnerabilidade http://www.scielo.br/pdf/tpsy/v25n3/2358-1883-tpsy-25-03-1167.pdf [acesso em 17/3/2020]

PAIVA, V. L. M.  “A formação do professor para uso da tecnologia”. In: SILVA, K. A.; DANIEL, F. G. de; KANEKO-MARQUES, S. M.; SALOMÃO, A. C. B. (Org.). A formação de professores de línguas: novos olhares – Volume II. Campinas: Pontes, 2012.   

PARISER, Eli. “Tenha cuidado com os filtros-bolha online”. TED Talks. In:https://www.ted.com/talks/eli_pariser_beware_online_filter_bubbles?language=pt-br#t-474801. Acesso em 20/3/2020

PRENSKY, Marc. “Digital natives, digital immigrants”. On the Horizon. NCB University Press, vol. 9, n.5,Oct. 2001,1-6. Tradução disponível em: https://mundonativodigital.files.wordpress.com/2015/06/texto1nativosdigitaisimigrantesdigitais 1-110926184838-phpapp01.pdf [acesso em 20/3/2020]

SARIAN, Maristela Cury. A injunção ao novo e a repetição do velho: um olhar discursivo ao Programa Um Computador por Aluno (PROUCA). Tese Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

SILVA, P. K. L. “A escola na era digital”. In ABREU C. N., EISESNTEIN, E. e ESTEFENON, S. G. B. Vivendo esse mundo digital. Porto Alegre,: Artmed, pp. 187-195.

SORJ, Bernardo. [email protected]: A luta contra a desigualdade na Sociedade da Informação. Rio de Janeiro : Jorge Zahar. ; Brasília, DF: Unesco, 2003.

VALENTE, José Armando. “Por Quê o Computador na Educação”. Em J.A. Valente (Org.). Computadores e Conhecimento: repensando a educação. Campinas, SP: Gráfica da UNICAMP, 1993.

Cristina Meneguello é graduada, mestre e doutora em história,  docente da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Especialista em patrimônio e história contemporânea, é a coordenadora da Olimpíada Nacional em História do Brasil desde sua criação, em 2009, e dos cursos EAD a ela associados (www.olimpiadadehistoria.com.br)

Como citar este artigo

MENEGUELLO, Cristina. Quem tem medo das aulas online? Três ideias sobre o ensino a distância. In: Café História – história feita com cliques. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/quem-tem-medo-das-aulas-online-ensino-a-distancia/‎. Publicado em: 23 mar. 2020. ISSN: 2674-5917. Acesso: [informar a data].

7 Comentário

  1. Texto bem fundamentado, mas descolado da realidade. Não dá pra discutir EAD na atual conjuntura sem considerar a proposta de educação do atual governo e sua política para o funcionalismo público.
    Ao contrário do que o título sugere, a resistência EAD não é uma questão de “medo”. Sou professor da rede pública, e, na minha escola, os dados dos alunos não batem com o apresentado na pesquisa. A maioria usa internet apenas em celular, com pacotes de dados péssimos, que permitem apenas usar redes sociais. Nesse momento de crise, muitos já sinalizaram que tiveram que cortar a internet, pois os pais, maioria trabalhadores informais, estão sem renda.
    Defender EAD nesse momento, ao contrário do que sugere o texto, seria reforçar a ideia de uma educação excludente.

  2. Concordo com Bernardo . Não é questão de medo . EAD possui uma metodologia diferenciada e que possui o devido mérito em contexto específico . Quem opta por um curso EAD está ciente dos métodos e ferramentas ao contrário de cursos presenciais nos quais a maioria dias alunos contam a estrutura universitária . Assim , acho que a discussão não está na avaliação qualitativa do EAD, mas no processo de tomada de decisão que considere o contexto real das condições dos alunos de ensino presencial das universidades públicas neste momento. Neste sentido , a UFMG e UNB não adotarão aulas a distância em vistas das diversidades . Haverá um novo calendário para todos.

  3. Mesmo apresentando elementos que constituem a EAD como estratégia pedagógica de forma adensada, me parece que o artigo não está conectado com a realidade das escolas públicas em nosso desigual país em termos sociais, educacionais e de acesso digital.
    Os alunos no Brasil, estudam em escolas públicas, vamos a realidade do Ensino Fundamental. O Censo Escolar 2018 revela que 77,84% das escolas de Ensino Fundamental nos anos finais são públicas, somente 15,1% do total de 12 milhões de alunos matriculados frequentam a escola particular nessa etapa.
    É fundamental que a gente não perca isso de vista, afinal para esses estudantes a escola é mais do que um lugar de conteúdos escolares e plenos processos de ensino e aprendizagem, existem outros elementos que conformam a experiência escolar que precisam ser consideradas, principalmente se o nosso principal argumento é de que os pobres não chegarão a Universidade.
    Hoje precede a essa naturalização da EAD como solução para os impasses da educação pública, discutir por exemplo, acesso de dados para os trabalhadores e seus filhos, acesso a ferramentas, programas e computadores e principalmente a formação dos professores, talvez o nosso maior desafio, seja na educação presencial, seja na educação não presencial.
    Para o capital educacional, sangrar o fundo público com seus pacotes de EAD milionários está na ordem do dia e me parece que a grave crise epidêmica que vivemos será habilmente usada para viabilizar esse projeto.
    Temos que ter muita parcimônia e responsabilidade política com o que debatemos. E preciso confessar, eu não tenho medo da EAD, eu tenho pavor, ela será a grande ferramenta da desescolarização da classe trabalhadora no futuro.
    Um abraço respeitoso, fraterno e preocupado.

    • “E preciso confessar, eu não tenho medo da EAD, eu tenho pavor, ela será a grande ferramenta da desescolarização da classe trabalhadora no futuro.”
      Sou professora da rede privada e o ensino EAD faz parte do processo. Ainda assim, faço minhas as palavras da Alessandra Nicodemos Oliveira Silva.

  4. Parabéns Professora Cristina.
    A universidade pública, assim como, a escola pública, pertencem ao povo brasileiro e há que se fazer o necessário, para este povo esteja na Universidade e na escola pública. Se vamos falar de exclusão, temos que falar de uma sociedade que além de desigual é acima de tudo meritocrática. Como Professor na Rede Privada do Ensino Superior, me deparo todos os dias com trabalhadores e trabalhadoras que realizam seu sonho de um Ensino Superior na Rede Privada presencial ou EAD. E se sentem ressentidos por não poderem estar na Educação Pública e de qualidade, garantida pela CF e que na vida real, é um sonho muito distante.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*