Sem saída: entendendo a permanência de judeus na Europa nazista

Políticas imigratórias antissemitas, custos altos, impossibilidade de prever o extermínio e crença na própria capacidade de sobrevivência ajudam a explicar por que tantos judeus não conseguiram deixar a Europa durante o Terceiro Reich.

Por Bruno Leal Pastor de Carvalho

A chegada dos nazistas e de outros grupos de extrema-direita ao poder na década de 1930 provocou o recrudescimento do fenômeno do antissemitismo na Europa em níveis nunca antes vistos.1 Na Alemanha, o governo editou centenas de leis e decretos com o intuito de gradativamente restringir os direitos civis dos judeus e diferenciá-los socialmente do restante da população. Eles foram proibidos de frequentar escolas, universidades e locais públicos. Foram expurgados do serviço público e proibidos até de mesmo de casar ou de manter relações sexuais com “alemães arianos”.2 Parte dessa legislação antissemita foi aplicada também nos territórios dominados pela Alemanha.

DUAS FAMÍLIAS JUDIAS ALEMÃS EM UMA REUNIÃO ANTES DA GUERRA.
Duas famílias judias alemãs em uma reunião antes da Guerra. Apenas duas pessoas deste grupo sobreviveram ao Holocausto. Foto tirada na Alemanha, 1928.Fonte: United States Holocaust Memorial Museum, courtesy of Kurt & Jill Berg Pauly.

Acontece, no entanto, que a maioria dos judeus europeus nunca conseguiu deixar o Reich e a Europa – nem mesmo no auge da perseguição nazista. O custo foi bastante alto: calcula-se que mais de 6 milhões de judeus foram mortos nos eventos que se seguiram. Mas por quê tantos não conseguiram emigrar? As respostas não são as mesmas para todas as pessoas ou para todas as comunidades judaicas da Europa. Neste texto, abordarei algumas razões de ordem geral, relacionando-as, na medida do possível, a realidades nacionais específicas.

Essas leis, somadas a uma violência física orquestrada por governos e grupos antissemitas, forçou uma enorme onda de emigração judaica. E até 1938 era exatamente isso o que desejavam os nazistas: que os judeus fossem para bem longe da Alemanha e da Europa. Calcula-se que entre 1933, ano em que Hitler chegou ao poder, e 1939, quando começou a Segunda Guerra Mundial, 366.000 judeus emigraram da Alemanha e dos territórios anexados, caso da Áustria. Alguns foram para a Palestina, enquanto outros buscaram a Argentina, os Estados Unidos e até mesmo a China.

Custos altos e portas fechadas

A primeira e a mais importante razão para tantos judeus não terem deixado a Europa durante os anos do nazismo é simples: eles não tinham os recursos financeiros para fazê-lo. Os custos de uma viagem internacional nos dias de hoje são elevados. Na década de 1930, esses custos eram ainda maiores. Poucas pessoas faziam viagens internacionais na época, sobretudo em família – e menos ainda numa condição de mudança, levando todos ou quase todos os seus pertences.

No caso dos judeus, a situação era ainda mais complicada. Um número imenso de judeus europeus era miserável. O caso da Polônia é exemplar. Muitos dos que já vivam em cidades grandes, como Varsóvia ou Cracóvia, habitavam bairros paupérrimos. Não tinham passaporte. A maioria não tinha viajado nem mesmo dentro da Europa. Os judeus que viviam nos Shtetl eram ainda mais pobres. Eram pessoas muito humildes, vivendo em um mundo que ainda estava longe de ser a Europa urbanizada e moderna dos grandes centros. Tinham, em geral, famílias numerosas e não possuíam contatos no exterior. Em resumo, os judeus poloneses pobres, não tinham nem recursos, nem referências, nem documentos ou cultura compatível com esse tipo de empreendimento.3 E aqui vale lembrar que, dos 6 milhões de judeus mortos no Holocausto, mais da metade era de origem polonesa.

 
propaganda-antissemita-EUA
Propaganda antissemita nos Estados Unidos classifica os judeus como uma “ameaça comunista”. Foto: Museu do Holocausto de Washington (USHMM).

Na Europa Ocidental, a situação era bem diferente. Estamos falando aqui de cidades como Berlim, Frankfurt, Munique (Alemanha) e Viena (Áustria). A maioria dos judeus estava ali há duas, três ou mais gerações. Eram quase todos assimilados, isto é, plenamente integrados ao meio local em que estavam inseridos. Tinham amplo acesso à educação formal e à cultura – estavam plenamente inseridos na modernidade. A situação financeira dessas comunidades era também muito melhor e várias pessoas tinham passaporte, experiência prévia de viagem, além de contar com conhecidos em outros países, principalmente parentes. Contudo, mesmo nesses casos, a despeito de todas as condições favoráveis, um motivo básico impediu muitos judeus de terem emigrado: boa parte dos países tinha uma política imigratória bastante restritiva para os judeus.

Nações em todas as partes do mundo estabeleceram cotas e exigências burocráticas rigorosíssimas, com evidente intenção de dificultar – e muito – a entrada de pessoas de ascendência judaica em seus territórios. Isso aconteceu mesmo em países considerados abertos aos imigrantes na época, caso dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha. No Brasil, o governo federal chegou a criar circulares secretas que instruíam seus diplomatas no exterior a não darem vistos de judeus – embora essas leis nem sempre fossem cumpridas com rigor.4 Muitas vezes, os discursos nacionalistas de proteção das fronteiras escondiam posicionamentos antissemitas de instituições e líderes políticos. Não raro, havia uma calorosa disputa interna nestas nações entre discursos mais humanistas e de solidariedade versus discursos mais racistas e a defesa do “fechar as portas”.

Em 1938, a situação dos refugiados judeus era tão crítica, que os americanos, pressionados diante de uma verdadeira avalanche de pedidos de visto de entrada (muitos dos quais negados), promoveram uma conferência internacional na cidade de Evian, na França, chamada a “Conferência de Evian”, para tentar resolver a questão. O resultado foi um enorme fracasso. Com exceção da República Dominicana, nenhum dos 32 países representados no encontro aceitou aumentar de forma expressiva suas cotas para refugiados judeus da Alemanha e da Áustria. Muitos dos formuladores da política externa ao redor do mundo compartilhavam de imagens preconceituosas dos judeus ou estavam mesmo embebidos de puro antissemitismo.5

Em alguns casos, a situação beirava o absurdo: a família de ascendência judaica finalmente conseguia o visto de entrada em um dado país, além dos diversos documentos exigidos para sua aceitação, como exames médicos, certificado de bons antecedentes, declaração de bens etc. Nesse momento, se tornava possível solicitar, então, os vistos de saída e de trânsito para cada membro da família (os dois vistos eram também necessários), mas o tempo para tirar esses outros vistos era tão longo, que quando saíam, aquele visto de entrada no país de destino ou algum outro documento tinha a validade expirada, fazendo com que o processo voltasse ao início – um processo, como vimos, bastante caro e numa época em que os bens e propriedade dos judeus tinham sido confiscados. Esse era o caso, por exemplo, de judeus de várias nacionalidades que vivam na França ocupada e tentavam se deslocar para fora da Europa, saindo por países como Portugal e Espanha, as rotas “mais fáceis” nesse período.

Laços afetivos, capacidade individual e imprevisibilidade

Há muitas outras razões que explicam a permanência dos judeus na Alemanha e na Europa durante o nazismo. Uma delas é que emigrar nunca é uma tarefa fácil. Além de ser caro, emigrar significa deixar a terra natal, cortar um vínculo emocional ancestral, deixar para trás familiares, lar, trabalho, seu estilo de vida, bens, propriedades, sonhos. Emigrar é ter que se adaptar a uma cultura nova, a uma língua nova. É deixar tudo o que ama e conhece para adentrar no imprevisível e no desconhecido. Nem todos estavam preparados para uma mudança tão radical quanto esta.

A comunidade judaica europeia estava, com certeza, muito assustada com a violência e perseguição. Mas muitas pessoas ainda assim optaram por não sair do país porque acreditavam que aquela era apenas mais uma onda antissemita na Europa – que seria possível lidar com essa onda, que em breve seria superada, da mesma forma que seus pais, avós e bisavós também superaram no passado.6 Nos anos 1930, em plena Europa moderna e racional, era inconcebível imaginar que os judeus acabariam mortos aos milhões por uso de armas de assassinato em massa como as  câmaras de gás. Além disso, é parte do espírito humano acreditar em sua própria capacidade de luta e de resistência em tempos sombrios. As pessoas criam mecanismos psicológicos que lhe dizem que “sim, é possível”. Aconteceu durante o nazismo e em várias outras situações-limite vivenciadas por comunidades étnicas no século XX, caso dos libaneses durante a guerra civil.7

ROTAS DE FUGA NA EUROPA OCUPADA PELOS ALEMÃES, 1942
Na área da Europa ocupada pelos alemães, os nazistas procuravam reunir e deportar os judeus para os campos de extermínio na Polônia. Alguns judeus sobreviveram escondendo-se ou fugindo. Algumas rotas de fuga da Europa ocupada levavam a Estados beligerantes (como a União Soviética), a Estados neutros (como a Suíça, Espanha, a Suécia e a Turquia), e até mesmo a Estados aliados à Alemanha (como a Itália e a Hungria, antes da ocupação nazista). Após o ataque alemão à União Soviética, mais de um milhão de judeus fugiram rumo ao leste, tentando escapar do exército nazista que avançava em território soviético. Alguns milhares de judeus, buscando encontrar segurança na área do Mandato Britânico denominado Palestina pelos romanos, conseguiram sair através dos portos do Mar Negro localizados na Bulgária e na Romênia. Fonte: Museu do Holocausto de Washington (USHMM).

Há que se considerar, também, o caso daqueles que, antes da guerra, conseguiram deixar a Alemanha e a Áustria rumo a países como França, Bélgica e Polônia. Não contavam que esses países, a partir de 1939, cairiam, um a um, em domínio nazista. Ou seja, muitos judeus conseguiram escapar da perseguição nazista no Reich, mas acabaram voltando ao domínio nazista em outros países derrotados durante a Segunda Guerra Mundial. Algo muito parecido aconteceu na América Latina durante os anos de ditaduras militares. Um perseguido podia deixar, por exemplo, o Brasil rumo ao Chile, sem saber que dali a pouco tempo este país também se tornaria uma ditadura militar.

Mundo em guerra

Quando a Segunda Guerra Mundial começou, a opção de emigrar se tornou ainda mais difícil. Muitos judeus já não tinham mais recursos e, com o mundo em guerra, os mares e territórios tinham se tornado extremamente perigosos, restritos, impedindo muitos de escaparem. No dia 23 de outubro de 1941, sublinha o historiador Michael Marrus, “Himmler enviou uma ordem fatal que percorreu a cadeia de comando nazista: a partir de então não seria permitida emigração judaica em nenhum ponto do território controlado pela Alemanha. No dia 29 de novembro foram enviados os convites para a Conferência Wannsee, planejada para coordenar as deportações em toda a Europa. A Solução Final estava pronta para ser colocada em prática”.8


Notas

1 Em linhas gerais, antissemitismo é o preconceito, hostilidade ou discriminação contra judeus.

2 Parte dessa legislação antissemita foi aplicada também em territórios dominados pela Alemanha.

3    WASSERSTEIN, Bernard. Na iminência do extermínio. São Paulo: Cultrix, 2014.

4    KOIFMAN, Fabio. Quixote nas trevas – o embaixador Souza Dantas e os refugiados do nazismo. Rio de Janeiro: Record, 2002.

5 SNYDER, Timothy. Terra negra: O Holocausto como história e advertência. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

6    Segundo Avraham Milgram e Robert Rozett, o senso de perigo dos judeus foi confundido pela oscilação do cumprimento da política antissemita – muitos acreditaram que o pior já tinha passado. In: MILGRAN, Avraham; ROZETT, Robert. O Holocausto – as perguntas mais frequentes. Jerusalém: Yad Vashem, 2012. p.26.

7    FRIEDMAN, Thomas L. From Beirut to Jerusalem. Macmillan, 1995.

8    “Solução Final” é o termo (eufemístico) usado pelos nazistas nos documentos e no cotidiano para se referir ao extermínio físico dos judeus como forma de resolver o “problema judaico na Europa”. MARRUS, Michael R. A assustadora história do holocausto. Ediouro, 2003. pp.-98-99.


Referências Bibliográfica

FRIEDMAN, Thomas L. From Beirut to Jerusalem. Macmillan, 1995.

MARRUS, Michael R. A Assustadora História do Holocausto. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

ROZETT, Robert. O Holocausto – as Perguntas Mais Frequentes. Jerusalém: Yad Vashem, 2012.

KOIFMAN, Fabio. Quixote nas Trevas – o Embaixador Souza Dantas e os Refugiados do Nazismo na França. Rio de Janeiro: Record, 2002.

SNYDER, Timothy. Terra negra: O Holocausto como história e advertência. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

WASSERSTEIN, Bernard. Na Iminência do Extermínio – A História dos Judeus da Europa antes da Segunda Guerra Mundial. São Paulo: Cultrix, 2014.

Bruno Leal Pastor de Carvalho – Fundador e editor do Café História. É professor adjunto de História Contemporânea do Departamento de História da Universidade de Brasília (UnB). Doutor em História Social (UFRJ, 2015). Mestre em Memória Social (UNIRIO, 2009), Especialista em História Contemporânea (PUCRS, 2010), Graduado em História (UERJ, 2006) e Comunicação Social (UFRJ, 2006). Foi professor do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense (UFF). Tem pós-doutorado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pesquisa História Pública, História Digital e Divulgação Científica. Também desenvolve pesquisas sobre crimes nazistas e justiça no pós-guerra, com especial ênfase no destino dos criminosos nazistas. Foi cocoordenador do Núcleo Interdisciplinar de Estudos Judaicos e Árabes da UFRJ, o NIEJ entre 2011 e 2018. É membro da Rede Brasileira de História Pública e da Associação das Humanidades Digitais.

Como citar este artigo<

CARVALHO, Bruno Leal Pastor de Carvalho. Sem saída: entendendo a permanência de judeus na Europa nazista (Artigo) In: Café História – História feita com cliques. Publicado em 18 de fevereiro de 2019. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/por-que-tantos-judeus-nao-deixaram-a-eruopa-durante-o-nazismo


Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*