Departamento de História da Universidade de São Paulo promove simpósio internacional sobre a Revolução Russa

Evento acontece na primeira semana de outubro. As inscrições já estão abertas.

Agência Café História

O Departamento de História da Universidade de São Paulo promove o Simpósio Internacional “1917-2017 – Centenário da Revolução Russa”. O evento, um dos muitos a serem realizados no Brasil e no mundo sobre o centenário da Revolução Russa, acontece entre os dias 3 e 6 de outubro de 2017.  As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 5 de outubro através de um formulário já disponível no site do evento.

revolucao-russa-centenario
Pôster soviético dedicado ao quinto aniversário da Revolução de 1917. Autor: Ivan Vasilyevich Simakov (1877-1925).

A Comissão Organizadora, que conta com nomes como Osvaldo Coggiola, Sean Purdy, Rodrigo Recupero, entre outros nomes da USP, informa que serão fornecidos certificados de frequência. As conferências e demais atividades do evento serão realizadas no Anfiteatro de História, no Anfiteatro de Geografia, no Anfiteatro Nicolau Sevcenko e na Sala Caio Prado Júnior. Para conferir a programação completa, clique aqui.

“1917-2017 – Centenário da Revolução Russa” conta com os seguintes aposios: Laboratório de Estudos da Ásia (LEA), Cátedra Jaime Cortesão, GMarx, Boitempo Editorial, Programa de Pós-Graduação em História Econômica, NEPH (Núcleo de Economia Política e História Econômica), Centro de Estudos Africanos, LUDENS (Núcleo de Pesquisa sobre Futebol e Modalidades Lúdicas), CEDHAL (Centro de Demografia Histórica da América Latina), CAHIS, NACI – Núcleo de Análise de Conjuntura Internacional.

Bruno Leal

Fundador e editor do Café História. É professor adjunto de História Contemporânea do Departamento de História da Universidade de Brasília (UnB). Doutor em História Social. Tem pós-doutorado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pesquisa História Pública, História Digital e Divulgação Científica. Também desenvolve pesquisas sobre crimes nazistas e justiça no pós-guerra.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.