Museu no Chile é referência em Direitos Humanos na América Latina

O maior museu sobre uma ditadura militar sul-americana está no Chile. O “Museo de La Memoria y Los Derechos Humanos” faz do país um pioneiro no enfrentamento no campo dos direitos Humanos.

Bruno Leal | Agência Café História

Em 11 de setembro de 1973, um grupo de militares chilenos com expressivo apoio logístico, econômico e militar dos Estados Unidos, comandou um golpe que culminou com a morte do então presidente do país, Salvador Allende, de esquerda, e instaurou uma violenta ditadura que duraria até 1990, quando Augusto Pinochet, principal autoridade política chilena do regime no período, entregou seus poderes ao primeiro presidente eleito em muitos anos. Segundo informe da Comisión Nacional sobre Prisión y Tortura (CNPPT), publicado em 2004, 28.459 pessoas foram vítimas de prisões políticas e de tortura no país, sendo que mais de um terço nunca se envolveu com nenhum tipo de militância política.

museu-da-memoria-e-dos-direitos-humanos-chile-1024x768
Entrada principal do Museu. Foto: Bruno Leal / Café História.

Vinte anos após o fim da violenta ditadura chilena – calcula-se mais de 3000 pessoas foram assassinadas pelo Estado – organizações que lutam pelos direitos humanos no país, em parceria com o Palácio de La Moneda, demonstram que o Chile está pronto para enfrentar de frente o passado. Foi inaugurado, em Santiago, capital do país, em 2010, o Museo de La Memoria y Los Derechos Humanos, museu cuja missão é dar visibilidade às violações dos direitos humanos cometidas pelo Estado do Chile entre os anos de 1973 e 1990.

A história do “museu da memória”, como é mais conhecido, começou ainda em 2007, quando o Ministério de Obras Públicas do Chile abriu um concurso público destinado a selecionar o melhor projeto de arquitetura para a construção do museu. Dos 57 projetos inscritos e avaliados, o vencedor foi o do escritório brasileiro “Estúdio Américo”, integrado pelos arquitetos Mario Figueroa, Lucas Fehr y Carlos Dias. Com o aval da então presidenta chilena, Michele Bachelet, as obras começaram rapidamente, ainda em 2008. Dois anos depois, em 11 de janeiro de 2010, o museu abriu suas portas ao público, recebendo mais de 2000 visitantes no primeiro dia.

A reportagem do Café História esteve em janeiro de 2011 em Santiago e pôde constatar a importância e a qualidade do museu. Trata-se em todos os sentidos de uma construção imponente, que faz lembrar outros museus de memória, como o Yad Vashem, em Jerusalém, dedicado ao Holocausto. Primeiro do ponto de vista arquitetônico. A superfície construída do museu é de 5.500 metros quadrados. A estes se somam ainda 1.700 metros quadrados de espaços cobertos no exterior e outros 300 metros quadrados de auditório. Visto de fora, o prédio chama a atenção de quem passa pela rua. Sua fachada foi construída completamente por um revestimento de cobre, metal símbolo da prosperidade e da identidade chilena. Mas por trás de todo o cobre, estão muros de cristal, representando a fragilidade das vítimas. Abaixo do prédio principal, encontram-se centenas de degraus, que levam até a entrada do museu, e também um longo espelho d’água.

Dentro do prédio, o visitante encontra seis pavimentos: três de exposição permanente, o pavimento térreo de entrada e dois subsolos, onde acontecem outras exposições. Uma dessas exposições, que também é permanente, chama-se La Geometria de la Conciencia, criada pelo artista contemporâneo Alfredo Jaar: o visitante entra em uma sala totalmente escura, hermética e espelhada. Depois de alguns minutos de desorientação, as paredes da sala são iluminadas por uma luz branca fortíssima, dando visibilidade a milhares de silhuetas anônimas, reproduzida ao infinito nos espelhos. A experiência é extremamente intensa e faz com que as pessoas reflitam sobre a infinidade dos crimes cometidos, sobre a angústia e o despreparo diante do incerto.

museu-da-memoria-e-dos-direitos-humanos-no-chile
Arquitetura é destaque no Museu da Memória e dos Direitos Humanos, no Chile. Foto: Bruno Leal / Café História.

No prédio principal, encontramos a principal exposição do museu: do golpe à redemocratização. A museografia dá amplo destaque a testemunhos, relatos e impressões daqueles que viveram de perto o terror do autoritarismo. O material está dividido em várias alas. Na principal, a história do golpe que depôs e matou Salvador Allende, o bombardeio ao Palácio de La Moneda e os assassinatos cometidos contra militares e aliados do governo derrubado, durante o triste episódio das execuções sumárias, no Estádio Nacional. Das aulas secundárias, duas causam grande impacto emocional: a primeira diz respeito aos relatos de militares que resistiram ao golpe e que foram, por isso, colocados na reserva, presos ou executados. A segunda, ainda mais dura, é dedicada às crianças: são relatos e desenhos feitos em escolas ou no exílio e que ajudam a contar o clima que se instalou no Chile entre 1973 e 1990 do ponto de vista da inocência rompida.

Embora recente, o museu já é uma referência para os chilenos, principalmente pesquisadores, uma vez que ele é composto de um Centro de Documentação e uma Biblioteca. Além disso, o museu vem se tornando um ponto obrigatório para turistas. É possível escutar muitas línguas dentro do museu, inclusive o português (nos últimos anos, segundo dados oficiais, os brasileiros são os que mais visitam os Chile). Tudo indica, portanto, que o museu está atingindo o seu objetivo. Na época da inauguração, Bachelet, ela própria detida e torturada durante a ditadura, considerou que o museu é “um símbolo poderoso do vigor do Chile unido (…) na promessa de não voltar a conhecer uma tragédia como esta”. E adiantou: “Não podemos mudar o passado, mas sim aprender com o que foi vivido”.


Como citar essa notícia

CARVALHO, Bruno Leal Pastor de. Museu no Chile é referência em Direitos Humanos na América Latina. (Notícia). In: Café História – história feita com cliques. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/chile-memoria-e-direitos-humanos/. Publicado em: 16 fev. 2011. Acesso: [informar data].

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Museus Históricos: poder, educação e sociedade
  2. Museus Históricos: poder, educação e sociedade – CRB-8

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*