Big Data para analisar o mistério do metrônomo de Beethoven

Estudo analisou uma polêmica secular sobre as anotações que Beethoven fez sobre o andamento de suas obras, considerado muito rápido com essas marcas. Pesquisadores apontam que esse desvio poderia ser explicado por uma leitura incorreta pelo compositor do metrônomo que ele utilizava para medir a pulsação de suas sinfonias.

Retrato de Ludwig van Beethoven / Wikipedia

Ludwig van Beethoven (1770-1827) foi um dos primeiros compositores a começar a usar o metrônomo, um aparelho patenteado em 1815 por Johann Nepomuk Maelzel. Nessa época, Beethoven passou a editar suas obras com marcas numéricas com as indicações do metrônomo.

As dúvidas sobre a validade dessas marcas remontam ao século XIX e durante o século XX muitas análises musicológicas foram feitas a esse respeito, algumas das quais já apontavam para a hipótese de que o metrônomo estava danificado, questão que jamais pôde ser verificada. Em todo caso, a maioria dos regentes omitiu essas marcas por considerá-las muito rápidas (corrente do Romantismo), enquanto a partir dos anos 1980 outros regentes (corrente do historicismo) as utilizaram para interpretar a obra de Beethoven, mas a crítia musical e o público qualificaram esses concertos de “frenéticos” e até de “desagradáveis”.

Algumas pesquisas científicas anteriores, como um estudo de Sture Forsén em 2013, apontaram vários defeitos que poderiam ter afetado o metrônomo, causando um desempenho mais lento, o que teria levado o compositor de Bonn a escolher marcas mais rápidas do que realmente pretendia. Para validar essa explicação, o que os pesquisadores da UC3M e da UNED fizeram agora é comparar sistematicamente marcas metronômicas e interpretações contemporâneas.

Para isso, é necessário algum conhecimento de física (para modelar o metrônomo matematicamente), análise de dados, computação, usabilidade e, claro, música. Porque no total eles analisaram o andamento e suas variações ao longo de cada movimento em 36 sinfonias executadas por 36 maestros diferentes, representando um total de 169 horas de música.

“Nosso estudo revela que os regentes tendem a tocar sempre mais devagar do que Beethoven indicou. Mesmo aqueles que pretendem seguir suas instruções ao pé da letra! Os ritmos indicados pelo compositor são, em geral, muito rápidos, a tal ponto que, coletivamente, os músicos tendem a desacelerá-los ”, afirma um dos autores da pesquisa, Iñaki Ucar , cientista de dados do Big Data Institute da UC3M, e também clarinetista. Essa desaceleração segue, em média, um desvio sistemático, portanto, não é caprichoso, mas os regentes tendem a tocar uniformemente abaixo das marcas de Beethoven.

“Esse desvio poderia ser explicado se o compositor tivesse lido a escala do aparelho no lugar errado. Em última análise, seria um problema de usabilidade de uma nova tecnologia ”, aponta a outra autora do estudo, Almudena Martín Castro, designer de usabilidade e pianista, que realizou esta investigação no âmbito do seu TFG do Curso de Licenciatura em Física pelo UNED.

Procure uma pausa no metrônomo

Neste estudo, os pesquisadores desenvolveram um modelo matemático para o metrônomo baseado em um pêndulo duplo, refinado com três tipos de correções para levar em conta a amplitude de sua oscilação, o atrito de seu mecanismo, a força de impulso e a massa de sua sua haste, aspecto que não havia sido levado em consideração em trabalhos anteriores. 

“Com a ajuda desse modelo, desenvolvemos uma metodologia para estimar os parâmetros originais do metrônomo de Beethoven a partir das fotografias disponíveis e do esquema de patentes”, explica o trabalho. Além disso, eles desmontaram um metrônomo moderno para medi-lo e usá-lo para validar o modelo matemático e a metodologia.

Os pesquisadores tentaram procurar quaisquer “interrupções” no metrônomo que levassem aos tempos de desaceleração que os intérpretes geralmente seguem. Eles tentaram mudar a massa do metrônomo (talvez devido a um golpe, um pedaço poderia ter se desprendido), movê-lo na haste, aumentar o atrito (o metrônomo poderia ter sido mal lubrificado) e até verificaram a suposição de que o dispositivo poderia ter perdido, inclinando-se sobre o piano enquanto o compositor criava sua música.

Big Data para analisar o mistério do metrônomo de Beethoven 1
Eis o Metrônomo. Fonte: Pixaby

“Nenhuma dessas  hipóteses se ajusta ao que os dados estavam nos dizendo, que é uma desaceleração homogênea dos tempos em toda a escala. Por fim, percebemos que o desvio corresponde exatamente ao tamanho da massa do metrônomo e, além disso, encontramos a anotação de ‘108 ou 120’ na primeira página do manuscrito de sua nona sinfonia, indicando que pelo menos uma vez o compositor duvidou de onde foi lido. De repente, tudo se encaixava: Beethoven foi capaz de marcar muitas dessas marcas lendo o tempo no lugar errado ”, explicam.

Essa metodologia poderia ser aplicada para investigar o trabalho de outros compositores de música clássica , uma vez que eles podem extrair o tempo de uma gravação musical e limpar os dados para torná-los comparáveis. “Seria muito interessante estudar a relação entre o andamento tocado e as marcas de outros compositores ou mesmo buscar um ‘andamento correto’ no caso de compositores que não nos deixaram marcas metronômicas. É possível que haja um tempo médio no qual as pessoas geralmente interpretam as fugas de Bach , por exemplo?”Eles se perguntam.

Referência

Martín-Castro, Almudena; Ucar, Iñaki (2020). As escolhas de andamento dos regentes lançam luz sobre o metrônomo de Beethoven. PLOS ONE . 

Como citar esta notícia

CARVALHO, Bruno Leal Pastor de. 1Big Data para analisar o mistério do metrônomo de Beethoven (Notícia). In: Café História. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/big-data-para-analisar-o-misterio-do-metronomo-de-beethoven/. Noticia originalmente publicada pela Agência SiNC. Tradução: Bruno Leal. Publicado em: 14 jan. 2021. ISSN: 2674-5917.

Agência SiNC

A Agência SINC é o primeiro órgão público estadual especializado em informação em ciência, tecnologia e inovação em espanhol.
Todo conteúdo produzido pela SINC possui licença Creative Commons 3.0, ou seja, pode ser copiado, distribuído, comunicado publicamente e transformado, também para uso comercial.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.