“A escrita de história em forma de síntese atende a demandas muito urgentes do debate historiográfico contemporâneo”

Em entrevista à Flávia Varella, o historiador Jurandir Malerba, professor da UFRGS, fala sobre seu mais novo livro, “O Brasil em Projetos” (FGV, 2020), e sobre o desafio de discutir a história do país com um público sem formação em História. Para ele, é fundamental que historiadores se envolvam com sínteses históricas, mas sem abdicar daquilo que é fundamental. “Personagens e suas agências compõe minha narrativa, mas inseridas nas estruturas políticas, econômicas e culturais da época.”

“Precisamos melhorar nossa comunicação”

De acordo com o historiador Valdei Lopes de Araújo, professor da UFOP e presidente da Associação Nacional de História, a Anpuh, numa sociedade onde todos falam, o restabelecimento da autoridade quase que sacramental do especialista não funciona, simplesmente porque essa autoridade dependia de outro sistema de comunicação, que não está mais disponível.

A aprendizagem em história e os conteúdos históricos

Ensinar a disciplina de forma “conteudista”? Para muitos, isso provocaria um esvaziamento do pensamento crítico e tornaria o ensino de História apenas um exercício de memorização. Mas, seria possível ensinar a histórica sem conteú-dos históricos?

Por que Jânio Quadros renunciou? 60 anos depois

As contradições da trajetória política do ex-presidente e, sobretudo, sua decisão inusitada de renunciar à presidência da República no dia 25 de agosto de 1961, ajudaram a consolidar a imagem de Jânio como o personagem mais controverso da história republicana nacional.

Ler